segunda-feira, 23 de maio de 2016

Mentiras

   Durante muito tempo você se manteve em posição de defesa - foi quando o seu coração atravessou noites sem consolo. Ninguém jamais viu os seus olhos molhados no escuro do seu quarto – eram noites e noites em transe com as lembranças daquelas palavras doloridas que aos poucos iam lhe corroendo por dentro.
   Numa época à frente, livre em parte de tal desespero, sentiu que tinha forças para lutar e seguiu em busca de um alento que amparasse tantas dúvidas permanentes sobre a própria existência. Foi quando encontrou a mim pelo meio do caminho, e assim entrei por um tempo em sua vida - acho que eu estava muito a fim de descobrir se mantinha ou não a posse do meu juízo perfeito, digo, para encarar novamente um compromisso com alguém tão legal como você era à primeira vista.
     Porém, sem demorar muito, logo percebi que seu olhar era de quem praticamente estivesse à beira da loucura, guiando-se em seus exemplos por experiências malfadadas do passado - as histórias que contava eram como um labirinto de ficções intermináveis – em nenhum momento parecia dizer alguma verdade que me convencesse, mesmo de alguma questão simples – quando começava  a falar eu já sabia como terminaria e quais os fatos que citaria para dar mais ênfase ao seu ponto de vista. Rapidamente adquiriu esse hábito e dele criou um grande leque de possibilidades para a mesma história fantasiosa, que se repetia em versões mais elaboradas com o passar do tempo. Você temia tanto o confronto com a verdade, em seu modo arisco de ser, que quando uma ponta de mentira me motivava desconfiança, você fingia um acesso histérico e dava às costas pisando duro como se fosse vítima da maior ofensa.
      Muitas lacunas ficaram de nossas conversas, inclusive em discussões prolongadas que aparentemente tinham um tom de sinceridade.
    O tempo passou e você nunca mencionou alguém que gostasse em sua infância, ou uma brincadeira especial ou, quem sabe, o desejo do que queria ser quando crescesse - jamais me falou de uma rua onde pulava corda ou de um parquinho onde brincava no balanço ou escorregador. Quando um dia lhe perguntei como tinha sido sua infância, apenas me disse que nadava na piscina (até me deu uma foto daquela época feliz, lembra disso?). Nunca presenciei um vislumbre em que recordasse uma cena da qual sentisse orgulho na pré-adolescência - dando sempre a entender - na expressão sisuda - que jamais se deixaria escorregar numa emoção do passado, quando as respostas satisfatórias seriam: onde, como, ou os porquês das coisas terem evoluído assim. Várias vezes eu tentei que relembrasse, mas foi em vão. Parece que os detalhes daquele tempo lhe causavam tédio ou trauma profundo. Quando finalmente um dia relatou algo interessante, era como se fosse uma cena tirada de um folheto de viagens ou de algum livro antigo de histórias infantis.
     As reclamações do seu passado, quando no auge da vida adulta, eram sim muito marcantes. Não havia uma só pessoa de quem não falasse mal – o tempo que dispúnhamos era preenchido com reclamações de tudo quanto era tipo, fossem fatos passados ou presentes que tirariam qualquer um do sério. Nada parecia trazer mais alívio do que reclamar em tom de desabafo - demonstrando raiva e indignação - e no final quase derramar uma lágrima sentida. Tive a impressão que você se tornou outra pessoa, não era mais quem eu conheci com tanto brilho – aos poucos apodreceu e rachou ao meio. Cheguei a conclusão que depois de tudo desvendado, você imaginava que eu teria mente fraca e não conseguiria unir os pontos para observar todas as contradições pelas quais passamos juntos. O grande problema é que sempre tive excelente memória para aquilo que vejo ou escuto. Justamente por isso seria praticamente impossível que eu não reconhecesse um jogo de trapaça, ou distorção, a fim de semear uma nova ilusão em mim. Esse era o seu jogo sempre – e eu só podia me revoltar cada vez mais com esse seu mundo de mentiras e falsificações de intenções. Não é de se estranhar, portanto, que inventasse tudo para o seu próprio prazer em presenciar o meu sofrimento por te amar, e, inevitavelmente, após algumas cobranças, chegava sempre uma hora que diria do alto da sua imponente sabedoria: “Você não passa de uma pessoa patética!”. Não se cansou de demonstrar que eu não era suficiente, pelo menos em sua visão turva, para participar do seu mundo - às vezes chegava ao cúmulo de dizer que minhas perguntas e observações eram tão insignificantes que não mereciam sua atenção. O pior de tudo é que nunca se arrependia do que fazia. Isso era muito triste!
     Pois é, infelizmente, são essas coisas que rompem o encanto.
    Você insistiu tempo demais nessa combinação diabólica, habilmente mascarada por ações inocentes, que me fazia acreditar que o mal era eu. Não podia ser eu, pois você sempre se mostrou imune a todo mal que viesse de fora mantendo-se inatingível.
     Sei que se nesse momento soubesse da minha reflexão solitária, novamente estaria me desejando o pior. Motivo, talvez, pelo qual imagina que pode seguir pela vida como se passa entre labaredas sem se chamuscar. Uma hora, quando menos esperar, esse fogo poderá se rebelar e lhe causar queimaduras com cicatrizes permanentes. E, algum dia, em seu rosto torcido pela dor, lembrará que mentir, enganar e torcer as coisas ao seu bel prazer não leva a lugar algum.
     Nós dois sabemos que jamais admitirá abertamente que tudo isso aconteceu assim, digo, na minha versão, quando afirmo que mentia sempre, com ou sem motivo. Mentia inclusive dizendo que era meio vidente e conseguia ver o avesso das pessoas descobrindo o mal dentro delas para se proteger. Mentiras dirigidas, com um objetivo certo de intimidar reações. Garanto que seria mais simples, por exemplo, dizer que eu não era interessante e você não tinha vontade de prosseguir. Ao invés disso, encompridava as mentiras e inventava historias para exagerar as dificuldades em estarmos juntos e felizes. Porém, saiba que não foi o mal-feito que fortaleceu minha ira a cada dia, porque acredito que todo mal vindo da perversidade deve ser destruído; esse tipo de coisa fez a sua vida perecer aos poucos, e não a minha; mesmo que aparentemente mantivesse o sorriso e a impressão de tudo certo.
      Daí veio a total consciência do quanto uma estabilidade emocional pode ser colocada à prova em nome de um bem maior – talvez por cegueira ou a teimosia em prosseguir apesar das consequências. No entanto reconheço que o mundo de enganos e encantamentos que me levou até você, foi para que eu colhesse bons frutos de tudo que passou, e ao final você apenas seguisse adiante em seu mesmo passo.
    Nesse momento, no final do monólogo - antes tão constante em nossa relação - estou finalmente fora do mundo que criamos juntos, um mundo obsessivo, um mundo que eu erroneamente julgava de direito e beleza, um mundo de esperança. E se de verdade um dia tive uma esperança sincera é por que existe alguém lá em cima que gosta muito de mim, ainda que você tenha se esforçado ao máximo para mina-la aos poucos com o seu silêncio intenso e aquele profundo desprezo por belas sensações e nobres sentimentos.

11 comentários:

  1. Esse texto relata o que um mentiroso faz, e não tem a menor ideia do que causa na outra pessoa que possui um sentimento lindo por ela. Ela mata aos poucos esse sentimento, para se sentir melhor diz nunca ter mentido...esse texto falou comigo em um momento que vivi na minha vida, mas tudo passa o tempo cura tudo.

    ResponderExcluir
  2. Boa noite Renato, o texto fala de uma mistura de sentimentos e de uma profunda mágoa por alguém tratar alguém com tanta indiferença, colocando de forma desprezível o valor do amor dedicado de uma forma nobre.
    Parece que você fala de seus sentimentos em relação a alguém que te deixou marcas, que ainda não foram superadas.
    Um texto muito pessoal seu, mas dá para falar da escrita, que é bem feita, mas na minha opinião poderia ter falado de todos esses sentimentos de uma forma um pouco mais indireta, porque dessa forma falar do texto fica mais difícil.
    Parabéns pelo texto e pela escrita, que deixa claro exatamente ao que se propôs.
    Dorinha

    ResponderExcluir
  3. Divania Oliveira24 de maio de 2016 08:56

    Bom dia, gostei relata sobre uma pessoa q menti tanto q pra ela é normal e não vê o quanto essa destruindo tudo a sua volta, ja passei por algo parecido triste mas real , mas vida q segue....bjsss Parabéns

    ResponderExcluir
  4. Bom dia! eu achei o texto bem interessante,descreve bem que a mentira não é só nociva para quem ouve,mais principalmente para que as fala...pois acredita piamente que está dizendo a verdade...parabéns...o texto deixou bem claro,o que foi proposto

    ResponderExcluir
  5. Patricia Ramos Sodero26 de maio de 2016 00:27

    Olá,Sr.Autor!A visão que eu tive deste novo texto,por sua vez,muito bem escrito,é que,o personagem(pode ser no feminino também),descreve toda uma paixão envolvente.Sabe àqueles amantes que projetam na pessoa envolvida,toda uma fantasia de castelos,de conto de fadas,onde através de suas belas estórias,faz com que o sofrimento do narrador(a)transforme-se em alegrias?Pois então...é assim que eu vejo.Geralmente,pessoas sofridas,que não têm boas recordações da infância e família,envolvem-se e esperam que tenham um retorno mais feliz e compensado.Isso faria distanciar um pouco lembranças negativas.E pelo que vejo no texto,no momento que começa a existir uma paixão louca,existe a decepção de ver que àquela pessoa tão esperada e desejada,lhe trás mais tristezas.Ou seja,o castelo desaba.Triste isso,não é mesmo?Penso que quando existe a união de duas pessoas,seja para somar e não deixá-la ainda mais deprimida.Quanto ao vídeo,percebo também uma música melancólica,onde as paisagens não mudam.Sempre aquele ar de tristeza.Ou seja,a mentira não precisa ser só falada para ser relatada.
    Parabéns pelo novo texto e espero que logo publique outro,pois seus temas são sempre reflexões e aprendizados.
    Bjssss.....

    ResponderExcluir
  6. Acho que essa personagem possui uma tendência compulsiva pela mentira. Talvez nem ela mesma saiba disso, pois deve acreditar em tudo o que diz. Algumas pessoas mentem descaradamente e até elas mesmas acabam acreditando em suas mentiras, vivem em um mundo de fantasia, vivem de aparências. Quem vive com esse tipo de pessoa corre sérios riscos de se decepcionar, pois nunca poderá acreditar no que lhe for dito. E essa pessoa tenta diminuir a outra, querendo fazê-la crer que o problema da relação é ela. A trilha sonora de novo é muito boa! Parabéns mais uma vez Renato!

    ResponderExcluir
  7. “ ... dando sempre a entender - na expressão sisuda - que jamais se deixaria escorregar numa emoção do passado, .... Quando finalmente um dia relatou algo interessante, era como se fosse uma cena tirada de um folheto de viagens ou de algum livro antigo de histórias infantis. ”
    O q leva pessoas a agirem desta maneira? Vc parou p/ pensar na resposta, Renato? Provável/e já aconteceu com vc, cmg tbém, e pode acontecer c/ qlqr um, seja homem ou mulher. O q é comum p/ ambos é q ninguém nunca admite estar assim, não é?
    Viver num mundo de mentiras ou msm num mundo idealizado, é viver num mundo de negações, é não aceitar a própria realidd!
    As vezes nem é por maldd; pode ser uma fraqueza de viver na ilusão daquilo q a pessoa gostaria q fosse, mas não é. Isto vai enfraquecendo-a ao ponto de não conseguir alcançar estabilidd na vida, de viver um eterno engano... Mas qdo chega ao ponto de humilhar alguém, colocando-se num pedestal e a outra pessoa no chão, aí já é crueldd msm e há gde prejuízo p/ ambos!
    Seja por maldd ou não, esta pessoa precisa sair deste mundo de contos da carochinha e voltar p/ a sua realidd. É certo q não está fácil p/ ninguém, mas deixar de enfrentá-la é o msm q abrir mão do aprendizado e do crescimento q nos é perseverante/e oportunizado pela vida.
    Vc está, em demasia, reflexivo ultima/e, Renato! Kkkkkk
    BJSSS - Edneia

    ResponderExcluir
  8. Feliz daquele q encontra seu parceiro, sem mentiras, sem enganos, andando no mesmo intuito de dar certo. Existe, acredite! É só parar de revivier o passado e se dar a chance de ser feliz. Muitos preperem ficar 'presos' a relacionamentos doentios anos a fio e dá nisso. Uma assombração vem pra atormentar e tirar a paz q pouco resta. Viver o presente é a melhor coisa a se fazer, aprenda a desapegar-se.. Vai gostar. Andréa M. Cardoso

    ResponderExcluir
  9. Parabéns autor! Eu entendo que o texto é sua história, cada palavra, uma mágoa profunda que sua ex amada deixou na sua alma.Sinto raiva da maldade e das mentiras...muito envolvente seu texto. Parabéns!

    ResponderExcluir
  10. Isso não era namoro e sim ilusão por parte do rapaz, acreditando que poderia construir uma relação sólida. O difícil é entender porque deveras bate na mesma tecla. Masoquismo ou pena de si mesmo. Refletir é bom e necessário. Sorte. Ziza

    ResponderExcluir
  11. Olá, gostei muito da sua expressão e da emoção que o texto aborda. A maioria de nós, em algum momento da vida, pode se deparar com situações similares a descrita. Mas tem que ser fênix para superar (meu sobrenome devia ser fênis, afff). Mas tudo é aprendizado! Abs e parabéns. Angelique

    ResponderExcluir