quarta-feira, 29 de julho de 2015

Eu Te Amei...

    Eu te amei pra caralho, mas você foi tão filha da puta...
   A sua principal obsessão foi se manter assim. Por quê?
    Impossível a qualquer um adivinhar os seus motivos apenas num olhar, ou buscar numa única razão as suas escolhas. 
    Havia em você uma lógica: ter o limite curto para tudo. Foi ensinada assim e desenvolveu o melhor que pôde.
    Puxa vida... Que dom para ter opinião poderosa e sem margem para discussão! 
    Mas, no fundo, talvez se explicasse. Sempre houve algo que a incomodava: pessoas de personalidade.
    Um prenúncio de rivalidade logo surgia com gente determinada como você. 
    A cada ameaça, um novo conflito de opinião. 
    E se, depois de tempos, a decisão fosse refletir: eram dias até voltar atrás. 
    Daí em diante eram transmissões falhas e impossíveis de decifrar; enorme dificuldade na comunicação. 
   O humor ia virando em cacos e as forças se desgastando. 
    O seu ânimo cáustico prevalecia venenoso por algum tempo - 
alguém que chegasse para cuidar dos seus ferimentos acabava ferido.

    Rolando na cama veio a dúvida crucial, o silêncio da noite calou seus pensamentos.
   Ao amanhecer, em seu ar de interrogação, havia uma atitude de derrota que tiraria qualquer um do prumo. 
   Na noite seguinte novas tentativas para dormir e esquecer as incoerências - apenas isso.
   Ao primeiro questionamento, respostas ríspidas e sem sentido.
   Outras perguntas indo e vindo num jogo estranho de duplicidade no decorrer do dia.
   Ahhhh.... Você sempre soube que eu sabia de algo, mas tinha plena certeza do meu amor. 
   Era inevitável, o segredo não duraria...
   Que incoerência absurda uma pessoa ficar submetida a isso durante tanto tempo!
   Bom... Questionar-me sobre o que acontecia com você nem era mais a questão.
   Você despertou em mim sentimentos que eu desconhecia: provocação e revolta.  
   O coração, antes aberto e profundamente acolhedor, se fechou; endureceu pouco a pouco pelo jogo sem regras de boa convivência. 
   E a sua opinião continuava firme como diamante... Porém, sem alma e sem espírito. Nem o meu respeito e acolhimento se mantiveram. 
   Não havia motivo fundamental para persistir naquilo,  naquele tom de palidez que aos poucos tornava tudo cinza escuro.
   A minha luta pela verdade contra a superficialidade seria em busca do equilíbrio interior.
   Enquanto isso, você se equilibrava nos ares da própria certeza até a morte: e tanto fazia, certo ou errado, o que acontecesse. 
   Planejava em atitudes os acontecimentos, e em respostas sonolentas mantinha a porta fechada - afogava as boas intenções no nascedouro.
   Nada se aproveitava de bom que pudesse canalizar para transformar e trazer à realidade.
   E assim sair do pântano escuro da indiferença dada e recebida.
   Por fim, novas mentiras diabólicas e com histórias surreais, até o meu sonho se transformar cada vez mais em pesadelo. 
   O abismo não tinha fim - era tarde demais para lamentações. 
   Depois de ser colocado no vácuo a mente se abriu para entender melhor as coisas. 
   Engraçado como tudo ficou muito simples ao olhar, 
   Mas, olhando mais de perto tudo continuava misterioso demais para o meu gosto. 
   Não havia como defender, e nem o que explicar da perturbadora revelação - vida dupla, intenções desmedidas.
   O seu universo do “Eu faço o que eu quero na hora que eu quiser!” foi exposto. 
   Por quê tanta dedicação aos caminhos tortos com essa seriedade fake na postura? Era só a mim que tentava enganar?
   Engraçado como eu ficava sempre com a impressão que já tinha escutado a mesma conversa antes, mas nunca dava importância...

   Depois que tudo passou, o seu ego floresceu do fundo do poço para nova ilusão e sofrimento em alguém, com outros motivos gratuitos.  
   E quando esse alguém pensava que tudo estava bem, não havia sentido algum no encaixe das suas tramas.
   Qual das suas imagens seria a mais verdadeira? Existia alguma verdadeira? 
   De tanto pensar em tudo que nunca me afirmou com exatidão, ou tampouco desmentiu, o que me restou foi apenas o ponto de interrogação, . 
   Claro que eu deveria ter suspeitado desde o princípio que havia outro lado em suas histórias - eu me culpo tanto por isso...
   Eram tantos mistérios, novas transformações, traços mudados e pensamentos secretos...
   Em minha fuga constante, até um ponto desconhecido, permaneci ansioso e surpreso, mas nunca estive preparado para aceitar a sua realidade nua e crua. 
   Eu estava apaixonado, loucamente apaixonado e te amava pra caralho, mas você foi tão filha da puta... 
   Os seus poderes me desnortearam de um jeito que nada percebi; a sua personalidade não tinha belos contornos.
   Nunca dei a menor bola a conselhos ou sinais tão óbvios. Bem feito!
   O meu foco de atenção definiu o seu comportamento por dentro e por fora, ou nos caprichos que sempre prevaleciam.
   Nem o passar do tempo mostrou o último raio que poderia ser de esperança.
   Tudo outra vez se revelou em cheque enquanto penso nisso. Sempre em cheque e fora de contexto. Que ironia! 
   De verdade nunca houve base onde sustentar, exigir, ou, o que destruir - houve o nada.
   O nada tomou lugar e me manteve com a cabeça erguida, a espinha ereta e a mente quieta.
   Quanto a você não sei dizer o que aconteceu, no entanto, os fatos deixaram bem claro que:
eu te amei pra caralho, mas você foi tão...

6 comentários:

  1. Patricia Ramos Sodero30 de julho de 2015 17:39

    Caro Autor....Que mudança,hein?Um texto um tanto quanto"pesado"em relação aos que estávamos lendo.Um homem envolvido totalmente por uma mulher,que acha conhecer.Mas como as coisas acontecem para nos "pegar"desprevenidos mesmo,acaba defrontando-se com seu contrário a personalidade daquela que tanto desejou.Uma mulher de duas faces,onde prevaleceu mais a ruim.Onde mexe e machuca o sentimento do próximo.Aliás,o sentimento mais puro que deveria de existir entre os seres humanos e que está tão "em baixa" atualmente...AMOR.O importante é saber que,o homem,neste caso,mesmo com o coração ferido,soube elevar sua cabeça,sem precisar pisar ou fazer algo a ninguém,declarando o quanto a amou de verdade,e que a partir daquele momento,gritou sua liberdade de mais uma traição ocorrida em sua vida.A pior coisa que existe,na minha opinião,é alguém mostrar-se como não é de verdade.Só para conquistar algo ou alguém.Aproveitar de situações e sentimentos.É isso.Mesmo com esse texto tão obscuro,nos passa a reflexão de como precisamos conhecer melhor as pessoas,antes de realmente se entregar de corpo e alma.Tudo na sua hora,no seu tempo.
    Parabéns por mais um texto de aprendizado!!! Não demore tanto para publicar um próximo....Sentimos muito a falta!
    Bjossss e até!

    ResponderExcluir
  2. O nome desse texto deveria ser : EU SEMPRE IREI DE AMAR. Desculpe o palpite seu autor, com uma declaração dessa não teria como deixar de opinar. Abraços.

    Rosa.

    ResponderExcluir
  3. Q coincidência, Renato! Estes dias eu estava conversando com uma amiga justa/e sobre este tipo de relacionamentos q vc descreve em seu txt! De um lado alguém q ganha td no grito, na força,na ignorância, sem se importar quem ou qtos serão atingidos ou quais os senti/os envolvidos... De outro, alguém q, sem qlqr explicação plausível, ama simples e cega/e este q nd tem de bom a oferecer, apenas desprezo...
    Parece msm mto simples qdo td vem à tona e a gente se vê c/ cara de idiota, né? Td ali bem na nossa cara, escancarado, dando sinais em luzes de neon piscantes, e a gente insistindo em não querer enxergar em nome de um sentimento q, na verdd, nem a gente sabe direito se é amor! Bem aquela situação em q a gente sabe q vai dar merda, mas a gente insiste em tentar, procurando desviar dos atropelos, e focar apenas naquele ponto em q, aparente/e, a decepção será menos dolorida..., será???
    E aí, qdo previsivel/e td acaba, ainda ficamos c/ ar de q poderíamos ter feito algo mais, ou de q erramos em algum ponto crucial! E, + uma vez, assinamos nosso atestado de burrice! Mas fazer o q, né? Td tem seu tempo. E quem nunca?...
    BJSSS - Edneia

    ResponderExcluir
  4. Então, esse propósito deste texto está muito embasado pelo amor q sente, mesmo sem ter colocado, nome.. Mas mostra sua angústia e fúria por estar mulher, por mais q a chame aqui de fdp.. Seu orgulho ferido, está bem visível, não cabe ninguém julgar, os motivos desta separação, só sabemos de um, resta saber a outra parte. Dizem q o tempo cura tudo, já neste caso, será por 'tempo indeterminado.. Andréa Cardoso.

    ResponderExcluir
  5. A gente pode amar sozinho por algum tempo...mas não o tempo todo. Mais cedo ou mais tarde a gente acorda e percebe que estava perdendo tempo e que a pessoa a qual nos dedicamos tanto, não deu a importância merecida, apenas nos usou para o seu bel prazer. Fica a revolta, a mágoa, a angústia, a dor que às vezes parece que nunca vai passar, mas nada disso irá mudar o que aconteceu ou amenizar nosso sofrimento, só o tempo para poder cicatrizar e nos fazer esquecer, difícil demais, mas o desapego é a melhor opção. No final de tudo, quem perdeu foi a pessoa que não soube corresponder a um amor tão grande a ela dedicado e no seu devido tempo, ela provará do seu próprio veneno. Mais um texto para refletirmos e tentarmos não cometer os mesmos erros. Muito bom senhor autor!

    ResponderExcluir
  6. Acabei de passar por isso. Amar e não ser correspondida, no começo deu o sinal, mas depois, com o tempo, a máscara foi se desfazendo. Existe, infelizmente, gente assim. Usam as pessoas como objetos, para determinados fins. Quando se cansam ou perde a graça, descartam . E deixam feridas profundas que se demoram a curar. No dia seguinte, partem para atingir outro alvo mais interessante. Eu amei um ser extremamente frio, vazio e incapaz de amar. Essas situações , no meu ponto de vista espiritualista, servem para nos ensinar a não cair na mesma armadilha novamente. Aprender com a dor, transformar aquela mágoa que só o tempo ameniza. Um dia você vai acordar e apenas sentir enorme indiferença por quem te feriu. Ficará a cicatriz,sim. Foi melhor, porque você conseguiu se libertar.

    ResponderExcluir