sexta-feira, 29 de maio de 2015

É Mais Forte Que Eu

    Não falo com você há anos. Nunca mais ouvimos a voz um do outro, nem trocamos e-mails ou mensagens instantâneas como sempre fizemos. No meio do ano passado, não resisti e lhe enviei um e-mail a fim de saber de você, como se busca alguma notícia de um amigo que ficou para trás. A resposta foi lacônica: "Não quero contato com você!'. Superei e imaginei que caso fosse bem recebido lhe desejaria tudo de bom para aquilo que sempre sonhou e merece ter. Bom, mesmo assim ainda desejo muito e, no fundo, penso que merece pouco, pois acredito que todo aquele merece receber a mesma medida que dá aos outros, e você nunca foi boa em “se doar”.
       Mesmo assim, desejo – e desejarei sempre – que tenha o melhor e que seja muito feliz. Que encontre aquela sensação de bem-estar que procurou a vida toda e tenha muita paz com isso. E assim continue passando os anos que vêm pela frente com toda leveza e graça que possa ter, para que a vida lhe seja fácil e generosa.
       Nós sabemos que tudo de bom e ruim aconteceu há muito tempo. Foi num tempo em que acreditei que poderia lhe esquecer. Mas no fundo nunca soube ao certo como limpar você dos meus pensamentos e por isso mesmo me dissolvia em parágrafos confusos que transcreviam o meu orgulho ferido.
       Mas saiba que não quero mais ajustar contas, o que sinto agora é apenas a vontade de compartilhar com você as minhas lembranças. E, também, porque o caminho que muitas vezes fazemos acaba se tornando bem diferente do objetivo ou do destino imaginado no início. Desta forma, reservei ainda mais palavras que acredito lhe ajudarão a ir mais longe. Eu espero que as receba bem.
      É difícil me decidir por qual palavra começar sem que pareça uma ofensa, abuso ou sarcasmo. Por isso vou juntando aos poucos com muito tato.
      Sabe? Todas as famílias guardam segredos, escondem mazelas e tragédias, ou revelam seus comportamentos muito particulares - muitas vezes reprováveis aos de fora. Nós sabemos como é difícil agir através do bom-senso em determinadas situações em que existe a ausência daqueles que mais admiramos. Várias vezes você me revelou fatos sobre isso, sobre a intimidade desprovida de afeto dos seus. A intimidade em forma de compreensão que imaginava receber era aquela da qual sempre fugiu em nosso relacionamento, quando sentia que estava se abrindo demais, entende?
      Durante muito tempo eu dizia a mim mesmo que a distância que nos separava não era ausência, e fui adquirindo consciência que me agarrava a esse clichê como um suicida que se atira do alto de um prédio e tenta se agarrar em algo invisível durante a queda.
       Apesar disso, nunca tive medo do futuro, nunca tive mesmo, talvez por ter recebido uma educação para esperar o melhor dos outros. Nasci e cresci numa família onde as pessoas se solidarizavam com o próximo e acreditavam na generosidade das pessoas. Para os meus pais os valores morais passados aos filhos eram o maior investimento que podiam fazer. Estes e outros valores fizeram de mim uma pessoa determinada a ter projetos realizáveis na vida. Talvez o mais importante deles fosse o de ser feliz, de ter ao meu lado uma pessoa que pudesse compartilhar e construir uma vida a dois, com base naquela matéria básica que todos chamam de felicidade - o que nada mais é que toda a vontade de seguir adiante misturada com amor, segurança, fé e perseverança.
       Olha, vou dizer: o amor nunca é como idealizamos e sim como o construímos. A magia que existe em um amor construído aos poucos está nos pequenos gestos; está em tudo o que fazemos e dizemos a quem revelamos gostar. É uma coisa tão fácil de praticar... Para que tais ações aconteçam é preciso que os dois queiram, que os dois gostem; que os dois acreditem; que ambos consigam sentir o amor de maneiras semelhantes e com olhos para o futuro da mesma maneira. E o mais importante é que um como o outro percebam o quanto o amor pode ser importante na existência de uma pessoa. É necessário buscar meios para dar espaço ao amor, encontrar um lugar confortável para ele. Considero uma pena que você nunca soube encontrar esse lugar, de preferência reservando algum espaço dentro de você.
      Em alguma ocasião o sofrimento pode privar uma pessoa das suas faculdades mentais. Digo isso me baseando no fato de todo o prazer que me deu nas noites que passamos juntos; nas vontades que matamos um do outro; na imagem em flashes do seu corpo nu escondido entre os lençóis e todo o resto que me emociono muito em lembrar. A simples vontade de voltar a lhe encontrar me deixa cego, me priva da razão quando tudo isso retorna até mim nessas lembranças involuntárias. Durante esses longos anos alimentei esse tipo de sofrimento; percebi que por amar tanto sem ser correspondido, perdi muitos dias e noites pensando nessa coisa que eu considerava uma enorme injustiça, já que sempre me deu sinais incertos e muito contraditórios dos seus propósitos. E toda vez que nós nos separávamos, eu ia perdendo mais um pouco o meu equilíbrio. Acho que foi culpa minha. Talvez eu nunca tenha sido eloqüente o suficiente para que entendesse e respeitasse o meu amor por você. Ficava amarrado em mim mesmo pela tristeza, estava dominado por ela e sem qualquer reação, como um pássaro preso numa arapuca e que não sabe qual será o seu destino.
      O tempo se encarregou de fazer com que eu me acostumasse com a sua ausência da minha vida.
      Quem sabe um dia ele também consiga desfazer totalmente a sua imagem das minhas lembranças do passado e eu consiga finalmente lhe esquecer. Não é o que quero; no entanto, é o que deveria ter feito há muito tempo. Não somos os donos das emoções que tomam a gente de supetão e circulam pelo coração, corpo e mente como um furacão arrasador. Garanto que o meu coração deixou de ser meu quando conheci você. Isso me fez aprender que amar sem reciprocidade é algo muito traiçoeiro que avança sobre a gente como uma doença incurável; quando nos damos conta, o mal causado silenciosamente já se espalhou de tal forma que se torna quase impossível escapar.
      Eu escapei. Escapei ao fim de longos anos de luta, de um calvário auto-infligido. Também por isso que passo esse relato. Pois, a última miragem que tive na vida foi a sua imagem - a derradeira de todas as princesas de sapatinho de cristal que um dia surgiram na minha vida, e não por acaso, a mais inteligente de todas - que construiu a minha paixão obstinada em seguir um ideal, e seguramente o mais fraco de todos. No final, consegui enxergar o seu verdadeiro “eu” e restou-me apenas pegar o caminho de volta com os olhos voltados para o chão, e tentando não olhar para trás. Eis como me sinto agora, me esforçando andar para frente, sentindo que estou no caminho certo, pois é o melhor a fazer – ainda que depois de anos volte alguns passos como faço aqui.
     Antes de terminar, com essas palavras, imagino que compreenderá tudo o que digo, porque tudo isso um dia fez parte da sua vida também. E foi assim que você se revelou pouco a pouco, com uma cabeça cheia de indecisões, que num momento seria capaz de assumir um compromisso com alguém e no momento seguinte romper o que assumira sem qualquer explicação. Este e os outros atos denotam bem a sua índole duvidosa e o seu caráter inseguro profundamente egoísta. Eu nunca soube de verdade o que você queria viver de tão perdida que sempre esteve em suas dúvidas, e nem se dava conta do mal que poderia impingir aos outros. Imagino que lhe falta um tipo de ternura nos laços emocionais, o que talvez lhe desse um encanto irresistível. E pudesse assim praticar com mais maestria a troca de promessas dúbias com aquelas pessoas que porventura a amassem de paixão.
     Tenho certeza que está captando as minhas palavras e tirando delas todo o sentido mais profundo que elas merecem. Ainda que eu reconheça que me ouvir nunca soube e muito menos ouvir o seu próprio coração.  
     Creio que isso seja tudo, por enquanto. Não diga nada e nem se aborreça. Não faço por mal, acredite, é mais forte que eu.     

15 comentários:

  1. Hum difícil esse dilema mexer no passado, ainda se está na mente e no coração. Bate aquela saudade, nostalgia, querendo saber como anda a vida, se mudou algo (comportamento atitude talvez), mas pra decepção do personagem nada mudou, tudo estava como antes, ou até pior. É duro não se recíproco esse amor, apenas 1 e nada mais. Pode se passar anos a fio e nada mudará esse tórrido e conturbado sentimento. Andréa Cardoso.

    ResponderExcluir
  2. Adorei!Que bom saber, que ainda existem homens sensíveis,e que pode escrever coisas tão lindas.

    ResponderExcluir
  3. Muito bom o texto, parece mesmo uma experiencia vivida.

    ResponderExcluir
  4. Gostei da frase O amor nunca é como idealizamos e sim como construímos..Uma vez uma amiga me disse que nunca encontramos o homem que idealizamos. se ainda tivesse contato com ela iria pedir para ela ler seu texto. Muito emocionante as lembranças, de um amor passado,parece real, os momentos bons. Fico pensando se foi tão bom n devia ter acabado.

    ResponderExcluir
  5. Se esse texto é real ou não, ficaremos na dúvida, kkkk. O que foi chocante seu Autor, foi a forte lembrança que sente pela amada. Isso sem dúvida é angustiante, ainda mais da resposta que ela devolveu. Doeu né! Pelo jeito ela continua na mesma, já ele.. Fica minha dúvida. Abraços. Letícia.

    ResponderExcluir
  6. Sei bem o que é isso. Isso fere mais quando terminou, vendo que alguns anos depois nada mudou. E se ficar nessa de alimentar esse sentimento, vai continuar na mesma, pois a outra pessoa está vivendo muito e nem sequer lembra que você existe, triste essa realidade. Mas, a vida segue, abra novos horizontes, quem sabe tu encontres alguém que possa lhe oferecer o quê sua 'ex' não soube retribuir. Lindo, lindo demais esse texto. parabéns pela sensibilidade! Ana.

    ResponderExcluir
  7. Pôxa se foi atrás saber notícias é porque não esqueceu, lamento pela resposta tão negativa. Quando não amamos mais, nem tem o porquê de ir lá e mandar e-mail pra outra. Está ainda martelando na mente os motivos da separação, da loucura desse amor desenfreado. Pois é, a vida tem dessas pregar peças.. Débora

    ResponderExcluir
  8. Colocamos mtas expectativas nas pessoas, idealizando-as cm gostaríamos q elas fossem e qdo enxergamos a verdd, nos decepcionamos, não é msm? Ou então, certas atitudes são mal interpretadas, e por + q haja tentativa de explicação, a mágoa já não deixa q um se coloque no lugar do outro p/ o entendimento; aí a decepção ocupa o lugar onde poderia crescer um amor verdadeiro.
    Cm disse no txt, talvez não somos eloquentes o suficiente p/ q nosso amor seja entendido e respeitado, e assim deixamos um rastro de dúvidas pelo caminho causando inúmeras indecisões no outro! Mtas vezes ainda, os traumas trazidos do passado tornam nosso coração mais duro p/ as coisas do amor, e isto reprime os sentimentos impedindo a ttl entrega e suprimindo a nossa chance de ser feliz ao lado de alguém... E a gente só se dá conta qdo já houve o mal entendido, qdo os caminhos já se tornaram opostos... Q pena!!!
    E quase sempre é assim, até q a gente aprenda! É mais forte q nós...
    Acredito q vale a pena dar uma nova chance p/ o Amor, Renato! Antes disto, precisamos aprender a amar a nós msms e a sentir a Felicidd sozinhos p/ libertarmos nosso coração, pois nós, e somente nós, somos os responsáveis por isto. Só assim conseguiremos amar de verdd, ser feliz com alguém e trilhar numa msm direção, s/ ressentimentos, mágoas ou cobranças.
    Lindo txt, parabéns!!!
    BJSSS - Edneia

    ResponderExcluir
  9. Patricia Ramos Sodero31 de maio de 2015 21:18

    Boa noite,Renato!Mais um texto que "mexe"muito com nossos sentimentos.Um homem que sempre sofreu por um amor do passado,e que por muitas vezes tentou aproximar-se.Anos se passaram e a esperança não morre.Porém,a decepção chega.E chega com a certeza de que nada mais pode ser feito,a não ser deixar um simples desabafo,desejando-a um caminho feliz,para que também possa seguir o seu,em um mundo normal.Acho que na verdade,o maior desencontro que existiu entre os dois,foi a falta de compreensão da maneira de como cada um amava o outro.Como o próprio título do texto diz,é mais forte do que o autor,o bloqueio que existe,e que sua amada não soube entender.A vida é assim...cheia de surpresas.Às vezes,procuramos pessoas que não vemos há tempos,mesmo que já tenha existido algo a mais,não para tentarmos um recomeço.E sim,para simplesmente saber da pessoa.Quem sabe não seria o momento de ajudar ou ser ajudado,não é mesmo?Ou simplesmente saber se tudo vai bem e desejar que seja melhor.Nós,seres humanos,realmente deveríamos pensar melhor e sermos menos egoístas.
    Adorei,Sr.Autor!A música então....nem se fala!Tudo muito bem escrito e elaborado como sempre.
    Meus parabéns e fico na expectativa (já) da próxima leitura.
    Bjosss e até breve!

    ResponderExcluir
  10. Fardo posso dizer que não existe pior coisa é esquecer a pessoa que tanto fez mal. São lembranças que vem atona e atormenta que tem o ímpeto de cometer a burrice de procurar e ver como está, e nada foi agradável ao receber a resposta. Parece doença, fica adormecida por uns anos e quando volta fazendo estrago de novo. E tudo parece como está. Joyce.

    ResponderExcluir
  11. A gente sabe que tudo passa, mas finge que o eterno mora ao lado e reclama quando o fim está próximo. Podemos reinventar, mas a gente possui uma preguiça acumulada que nos impede de deixar fluir o espírito criativo para sobreviver da mesmice. Sabemos ser ousados, mas o medo intenso inibe a entrada de novidades em nossa vida.


    Grande Beijo!

    Lúcia Bilbau

    ResponderExcluir
  12. Sei bem o que é isso, ficar anos sem falar com uma pessoa, mas não tirá-la do pensamento, mandar um e mail para saber como ela está, mas também para dizer entre linhas - oi, estou aqui te esperando, volta, e ela simplesmente se omitir, não dando nenhum retorno, é pior do que ouvir, não quero mais contato com você, pois nesse caso você fica sabendo que ela leu seu e mail, não foi a resposta que queria ouvir, mas ao menos houve uma resposta. Mas não dá para ficar preso ao passado, à vida segue seu rumo, temos que saber virar a página e nos permitir vivenciar outras coisas, provavelmente nunca mais ame com a mesma intensidade, a mesma paixão, mas se dermos abertura outro amor acontecerá, novos sentimentos, o coração pulsando pela perspectiva do novo, ou até mesmo uma mudança de cidade, novos ares,rs..rs,reinventar o seu viver... Mas jamais ficar parado, vivendo de lembranças, se contaminando e o pior, contaminando àqueles que convivem com você com tanta tristeza, essa é a pior coisa que podemos fazer a nós mesmos. Ótimo texto para reflexão e para termos discernimento do que não queremos pra nossa vida.
    Abraços.
    Sônia.

    ResponderExcluir
  13. Dureza quando gostamos da pessoa e volta e meia cutucamos o que deveríamos deixar quieto. Ainda mais sabendo que a conduta da outra parte continua a mesma e tu caí na real que nada mudou. Pior seria se ela mentisse e quisesse por ventura dar 'uma falsa esperança' e se iludisse achando que teria alguma chance de voltar a se relacionar. Nada como ser honesto, mesmo que fria seja não te enganou. Boa sorte e que encontre seu equilíbrio e paz pra seguir sua vida! Gabriela.

    ResponderExcluir
  14. O amor está no ar! Lindo texto, sendo real ou não.. Comove qualquer leitora. Parabêns! Carla.

    ResponderExcluir
  15. Penso que seja teimosia mexer em algo que não tem mais volta. Não existe essa história de 'dar um tempo' para depois alguns anos saber se a pessoa 'mudou de ideia'. Fato é quando se ama, não separa. Karyne.

    ResponderExcluir