terça-feira, 28 de abril de 2015

O Velho, O Novo

    
   Olá gente, tudo bem com vocês? Depois de um tempinho de ausência faço o meu retorno para mais uma reflexão. Espero que gostem.
     
     Vamos lá... Percebi que algumas pessoas  têm esvaziado os seus armários ultimamente. Estão reorganizando aqueles arquivos empoeirados e vasculhando velhos depósitos. Anunciam até na internet novas utilidades para todos aqueles velhos VHS que não usam mais. Jogam fora toda a tralha ou transformam em artesanato essas coisas que já não utilizam há um longo tempo. Inclusive criando com as fitas de VHS prateleiras tipo nichos para organizar maquiagens. Então eu pergunto: Vocês estão re-arrumando ou jogando fora aquilo que não usam mais?

      Imagino que com iniciativas como esta muita gente está criando ritmos de vida inusitados, que levam a inícios absolutamente novos. Limpar o velho faz parte deste processo.
     Naturalmente, todos se preparam para o que está por vir, ainda que não se tenha ideia de como pode ser o dia de amanhã. No entanto, em breve todos estarão muito ocupados com novas manifestações e não haverá muito tempo para tratar de velhos assuntos. Além disto tudo, muitos já sabem que o velho não serve mais em um novo começo, pois ele é parte de uma energia do passado e deve ficar lá . 
     Quando se traz uma energia que não existe nesta realidade nova, ou que está pronta para ser vivenciada, o transcorrer das coisas, ou seu final, pode não ser aquele imaginado nos melhores sonhos.
     Alguém poderá perguntar: “Para onde irei daqui?”. Uma outra pessoa poderá imaginar um pouco mais: “Eu sei que não consigo voltar aos velhos tempos, ou para o lugar que vivi antigamente, porém eu não tenho absolutamente nenhuma ideia para onde ir agora! Alguém pode me dizer onde estou e quem eu sou? Nada parece se manifestar a meu favor! Vivo essa vida com muita confusão e oscilação! Isso me aborrece muito.” 
      Sim! Logo se percebe que não há como voltar quando não se está mais em alinhamento com o que é velho. A vida se coloca num caminho de reestruturação massiva com um processo de purificação e liberação, é quase certo que não há mais como se combinar com o que se foi.
     Assim então, nós entendemos que devemos avançar para algo novo, pois certamente é o momento para os nossos inícios muito inspiradores. O desafio com que nos defrontamos é de uma realidade de vibração mais elevada, e com a qual devemos nos harmonizar. No entanto, como não foi totalmente criada ainda, poderemos nos encontrar em estados de aparente confusão, sentindo-nos perdidos e até com crise de identidade por falta de confiança e insegurança pelo novo, e assim por diante.
    Eu digo que ao avançar para lembranças, ou recriar na mente as vivências do passado, serve somente para falsear uma mudança, o que acaba sendo frustrante na melhor das hipóteses... e muitos não sabem certamente qual o momento para a sua própria mudança verdadeira.
    Este tipo de situação também pode criar um tipo de indecisão, porque não estamos totalmente certos como reagir ou como tudo parece que não se ajusta do jeito conveniente. Nem sempre podemos dizer o “Sim" como gostaríamos ou o "Não" como deveríamos.
    Muitas vezes temos a sensação de um estado permanente de indecisão, confusão, insegurança e angústia porque as coisas não estão estabelecidas em relação ao que está vindo. Mas ainda há tempo para mudança, e tempo para as pessoas e situações tomarem os seus rumos, sejam eles inusitados, diferentes ou improváveis - bem antes que chegue o grande impulso do que é ainda mais novo ou totalmente desconhecido para cada um.
    Algumas pessoas avançam, outras não querem fazer nada e nem desapegar do velho, e assim, acontecem outras combinações em suas vidas. Então de repente, as mudanças que nem eram esperadas acontecem em um cenário que se revela do nada. 
    Eu sei bem que existe gente que pode achar difícil ficar firme para superar todas as manifestações da montanha russa da vida! Ou encontrar um caminho seguro pode ser quase impossível também para determinadas pessoas indecisas.
     Assim, durante um período, convido a todos a consultar o fundo do próprio coração. O fundo do coração é a parte mais profunda dentro de cada pessoa... mostra quem realmente é... portanto, transforma em ações o que se deseja.       Nós nem sempre deixamos para trás - por capricho, orgulho ou arrogância, muito dos nossos velhos eus (e continuamos interagindo com esse processo durante a vida), e de uma hora para outra corremos o sério risco de sermos equiparados com o que poderia ser mas não foi, ou até com algo inteiramente diferente do que mostramos agora. 
     Nós nos conectamos e estamos vibrando com os nossos eus verdadeiros e mais purificados do que antes, porque a vida foi acumulando novas experiências. O que pensávamos ou o que queríamos no ano passado, pode não mais se ajustar de hoje em diante. Somos pessoas diferentes. Quando buscamos explicações, bem lá no fundinho podemos descobrir que queremos o que faltou em nossas vidas por muito tempo. Nós ainda estamos buscando o equilíbrio, além de tentar criar o que está em alinhamento com quem somos real e verdadeiramente.
    Há um outro detalhe que eu ia esquecendo: nós precisamos de nossos semelhantes ao nosso lado. Não podemos mais viver sós como se estivéssemos numa redoma. Nós vibramos mais quando somos parte de um todo. Nós não podemos fazer “isto ou aquilo” apenas por nós mesmos. Precisamos uns dos outros como nunca imaginamos que fosse possível e necessário.

    Novas pessoas estão chegando em novas vidas... e chegam em bandos! É muito excitante quando isso acontece. É uma energia para um mundo novo. E nós acabamos de descobrir que estamos muito animados, pois nada foi planejado. Estas novas pessoas querem estar aqui, e estão recebendo toda oportunidade para encontrar uma abertura! Trazem consigo uma energia nova e vibram de modo diferente do que qualquer um de nós vibrou até agora. Assim as esperanças se renovam. 
    Há ainda tempo para novas viradas, todas as coisas estão se organizando ao seu tempo. O melhor que podemos fazer é nos questionar sobre o que queremos verdadeiramente, até o último detalhe. As coisas nunca são tudo ou nada, preto ou branco. É melhor nos adaptarmos aos nossos sonhos ou aos cenários de realidades que verdadeiramente se adaptam em nossas vidas. Nós podemos querer um pouco disto ou um pouco daquilo... não necessariamente encontrar um fim para cada coisa, mas talvez apenas menos de algumas coisas e mais de outras.
     Chegou para cada um de nós o momento de transparência. Todos aqueles comportamentos e manifestações de outras pessoas que podem ter nos aborrecido no passado, podem ter nos afetado porque precisávamos e queríamos mais do que o outro tinha, e não podíamos racionalizar direito sobre o que acontecia. Este tipo de situação vem de percepções errôneas dentro de cada um... e todos nós as temos! Porém agora estamos colocados em um espaço maravilhoso onde podemos fazer tudo. Podemos decidir real e verdadeiramente o que queremos, o que almejamos e nunca pudemos admitir, ou ter plena consciência e reconhecer que estamos prontos para isso nesse momento.
     Assim, alguns desejarão intensamente a mudança, pois esse será por algum tempo o seu céu na terra. E, naturalmente, outros que ainda não a alcançaram estarão fazendo coisas diferentes em busca desta mudança por algum tempo.
     Digo a vocês que nós estamos sempre bem onde escolhemos estar, e tudo está em divina e perfeita ordem. A poeira que foi batida ainda tende a baixar. O novo está ficando mais e mais próximo a cada dia, e quando ele de fato chegar, parecerá o melhor companheiro para cada um de vocês e para cada um de todos nós!

5 comentários:

  1. Patricia Ramos Sodero29 de abril de 2015 00:05

    Boa noite,Renato!Demorou mas apareceu com mais um lindo texto de reflexão.Lendo tudo isso,faz com que eu pare e pense que,do passado,devemos lembrar mais das coisas boas,para que sejam refletidas no presente que vivemos e no futuro que está por chegar.Trazer negatividades do passado,muitas vezes não nos deixa enxergar uma luz lá na frente.Muitas vezes achamos que virá a "reprise".Precisamos transformar nossas vidas,renovar.Assim como a borboleta que sai do casulo e aprende a voar sem destino.Deixando as coisas acontecerem.Até mesmo quando tiramos roupas que não usamos mais de nossos armários,um simples ato de doação ao próximo,já estamos mudando algo em nosso interior.Sim,precisamos uns dos outros.Isso é fato.Só falta agora,cada um olhar um pouquinho para si mesmo e ver o que falta para transformar o velho,no novo.
    Amei esse texto!Um tema que nos dá abertura para pensar em diversas formas de mudanças em nossas vidas...em nossos pensamentos!
    Parabéns de verdade!Aguardo o próximo com mais ansiedade ainda.
    Ah...e ficou lindo com a música do Lennon.Imaginar um mundo bem diferente e melhor é tudo que queremos!
    Bjossssss e até breve.

    ResponderExcluir
  2. Tempo de mudanças, basta querermos. Nada se move sozinho e nem caí do céu! Deixar de reclamar da situação e agir. Acredito nisso. Caso contrário ficará do jeito de está no 'velho'... Andréa Cardoso.

    ResponderExcluir
  3. ...Nós podemos querer um pouco disto ou um pouco daquilo... não necessariamente encontrar um fim para cada coisa, mas talvez apenas menos de algumas coisas e mais de outras.
    Muito boa essa passagem do texto! Acho que explica tudo, mudar é preciso, mas para isso não é necessário pontos finais, e sim adequação do que não nos serve mais e adaptação ao que de novo nos é apresentado. Desapegar é muito difícil para algumas pessoas, mas mais cedo ou mais tarde, todos tem que encarar essa situação, de livre espontânea vontade, ou de livre espontânea pressão. A vida segue adiante, não volta atrás, não adianta ficar querendo voltar no tempo, mudar isso ou aquilo que foi feito no passado, isso é impossível! Seguir em frente, tomar as atitudes corretas, mediante o aprendizado obtido no passado, procurar usar isso a favor de um novo começo, que trará um novo final, que levará a outro novo começo e assim infinitamente, enquanto se tem vida.
    Mais um ótimo texto Renato, parabéns!

    ResponderExcluir
  4. Sabe um dia acordei cansada viver aquele cotidiano de sempre e tratei de mudar meus hábitos, pensa como foi magnífico. Uma hora a gente percebe se quisermos, podemos reverter certas situações que estamos passando, basta querermos. Lógico que tem quer ser com a forma certa e sem arrependimentos futuros. Jogar o velho fora pra que o novo venha com todo seu mistério e aprendizados. Adriana.

    ResponderExcluir
  5. Qdo a gente começa a sentir aquele peso inexplicável q incomoda e não sabemos de onde vem, pode apostar q tem um montão de coisas velhas e até assuntos velhos juntando poeira, pedindo pelamordedeus p/ serem descartados!
    Temos certa resistência ao novo justamente por estarmos acostumados a uma rotina, q mtas vezes chega a ser um ritual, e dá medo de mudar isto!... Mas, ao msm tempo, é esta rotina envelhecida e obsoleta q nos cansa, q perturba, q começa a não dar mais os resultados de antes e q nos empurra na direção das novas descobertas.
    É um despertar q chega a qlqr hr e em qlqr área da nossa vida: no trabalho, qdo já não supre as necessidds do momento; em ksa, qdo dá aquela vontade de trocar td, até de ksa; no relacionamento, qdo a sensação de solidão é constnt; no nosso interior, qdo nos percebemos sentados à beira do caminho sem rumo...
    É um momento em q não podemos deixar q frustrações e traumas vividos bloqueiem nosso caminho e, ao msm tempo, o momento de utilizarmos estas experiências, o q foi aprendido, cm exemplo e em benefício da nova fase para q façamos mais e melhor! Tbém é um bom momento p/ entendermos q a melhor companhia p/ nós somos nós, q a nossa felicidd não depende dos outros e q as pessoas ao nosso lado estão ali por uma feliz escolha de ambas as partes, não por necessidd!
    Peço licença, meu Querido Autor, para concluir c/ suas próprias palavras: "As coisas nunca são tudo ou nada, preto ou branco. É melhor nos adaptarmos aos nossos sonhos ou aos cenários de realidades que verdadeiramente se adaptam em nossas vidas. Nós podemos querer um pouco disto ou um pouco daquilo... não necessariamente encontrar um fim para cada coisa, mas talvez apenas menos de algumas coisas e mais de outras."
    BJSSS - Edneia

    ResponderExcluir