segunda-feira, 23 de julho de 2012

Contradição Fatal


Bem sei eu, ó Senhor, que os teus juízos são justos, e que em tua fidelidade me afligiste. Sirva, pois, a tua benignidade para me consolar, segundo a palavra que deste ao teu servo. Venham sobre mim as tuas ternas misericórdias, para que eu viva, pois a tua lei é o meu deleite. Envergonhados sejam os soberbos, pois me trataram de maneira perversa, sem causa; mas eu meditarei nos teus preceitos. Voltem-se para mim os que te temem, para que conheçam os teus testemunhos. Seja perfeito o meu coração nos teus estatutos, para que eu não mais seja envergonhado. (Salmos Bíblicos, capítulo 119; versículos 75 - 80)

PENSANDO EM TUDO QUE PASSOU...


"Muitas vezes o exemplo tem maior efeito que a palavra para excitar ou para acalmar paixões humanas. Assim, depois das consolações que vos pude oferecer diretamente em nossa conversa, desejo, de longe, colocar sob vossos olhos, em uma carta animada dos mesmos sentimentos, o quadro dos meus próprios infortúnios: espero que, comparando minhas infelicidades às vossas, reconhecereis que vossas provações nada são ou são pouca coisa, e tereis menos dificuldade em suportá-las." (Pierre Abailard)


                                       CONTRADIÇÃO FATAL

     Tudo aconteceu como acontece uma contradição fatal na vida. Esse foi o momento exclusivo em que chegou aquela para quem isto é escrito. Até então, eu imaginava que em algum lugar encontraria a pessoa que fosse a solução para a vida miserável que levava. E quando a encontrasse pensava que estaria outra vez agarrado a todos motivos que fazem o ciclo dessa vida seguir no seu mote perfeito. Mas, ao invés disso, notei que aos poucos estava me despedindo completamente dos meus sonhos.
     Nela, eu procurei com afinco me apegar, como se fosse esse o único consolo que me restasse, no entanto, ali pouco encontrei do que realmente procurava. Mas, ao redobrar os esforços em busca de algo que fosse paralelo à minha vida, algo que fizesse parte dela e ao mesmo tempo estivesse além dela, encontrei a mim mesmo outra vez sozinho. Encontrei um Ser não se importando com mais nada, nem mesmo em dizer o que pensava ou sentia, ou depois de meses passados de esforços em vão, não ligando se poderia morrer ou não morrer no dia seguinte. Nada mais importava, tudo porque eu parecia alguém incoerente o tempo todo e que estava em busca de algo muito simples, mas impossível de dar e receber se não fosse espontâneo.
      Eu era parte ativa de um grande caos já existente. Isso me incomodava tanto, a ponto de  ficar completamente desesperado ao olhar para trás e perceber que a maior parte da minha vida eu nunca soube ao certo o que fazer ou dizer. 
      Algumas pessoas me consideravam alguém sério. Um camarada solidário e educado, mas com uma alegria contida que era apenas demonstrada nos momentos de maior euforia ou gratidão.Talvez eu possuísse essas virtudes, mas, se assim fosse, era por ser indiferente a tudo.Desde o princípio devo ter imaginado que não era bom desejar muita coisa, deveria apenas lutar por aquilo que fosse ditado por meus caprichos. Compreendo isso perfeitamente agora. 
      Enquanto novamente penso nela - aquela pessoa para quem isto é escrito - continuo buscando razões para condená-la, pois esse é o melhor meio que encontro de condenar a mim mesmo. Tudo porque no fundo eu sei que sou igual a ela em muitos sentidos. E com o passar de todo esse tempo percebi que nunca fui melhor, muito pelo contrário, fui pior porque via as coisas por outro ângulo e com um olhar maduro. Porém, de um lado que me deixava completamente impotente para mudar alguma coisa. E foi nesse momento que pacientemente aceitei o laço.O que vale dizer que fui um idiota. Sonhava em dar um salto às cegas imaginando que o que havia sido prometido para amanhã deveria ser cumprido. Pena que esse tal amanhã nunca chegasse, e o meu salto sempre fosse no vazio. Aquela vida inteira passou como um breve sonho num pesadelo sem fim, mas isso ainda não era o bastante. Teria sido melhor se eu tivesse morrido ou apodrecido no fundo de uma cadeia por causa dela, do que conviver com a falta de paz de espírito por ter ouvido tantas mentiras, e fazendo de conta que acreditava em tudo. É... Ainda existe uma contradição em mim quando lembro de todos os seus crimes cometidos, e que passaram impunemente por terem caído na mera interpretação de relações humanas incompatíveis. Talvez seja essa contradição fatal o meu único consolo quando penso que no fundo do meu coração pulsa a chama da destruição. Eu queria vê-la arrasada de alto a baixo, sem dó. O ódio é a legítima revolta por todos os crimes cometidos contra mim e contra outros que nunca foram capazes de erguer suas vozes para protestar. Não adiantou....A terra continuou girando e indo para algum lugar e sempre voltando ao mesmo ponto onde as pedras um dia se encontrarão. Se antes eu pensava em partir, agora não penso mais, porque não existe lugar melhor onde destinos individuais se encontram igualmente do que no túmulo. Pela primeira vez em minha vida começo a viver com uma consciência diferente da que tinha antes. Porque aceitando a morte como algo irrefutável, a morte saiu da minha cabeça. Talvez seja essa a principal razão porque escrevo para aquela que, juntamente comigo, teve uma vida marcada de incertezas e frustrações e, por mais incrível que possa parecer, um dia pensou como eu. Agora ela se mostra como alguém que não tem mais preocupações, remorsos ou lembranças embaraçosas. Ela trabalha até ficar tão exausta a ponto de ter que arrastar-se para ir para cama. Puxa vida... Por que escrevo sobre ela? Que diferença faz as estradas que percorremos juntos ou as ofensas que trocamos? Por que as milhares de pessoas que conheci na vida não parecem tão vivas assim? Ela é como uma usina que nunca pára de emitir energia sobre meus pensamentos. Mesmo sabendo que ela foi destruindo tudo, um pouco aqui e acolá, sei que restou um pouquinho de verdade que conseguiu sobreviver. Uma verdade que pôde ser agarrada e vivida, e que está erguida na memória de um pequeno monumento de concreto onde ficou desprovida de suas más maneiras. Essa verdade foi enterrada e ficou para trás... Devo confessar que sinto grande dificuldade em contar essa história, justamente pelo fato de lembrar-me demais dos detalhes. Lembro-me de tudo, e de vez em quando tenho acessos de riso por isso. Tudo porque em nossa intimidade fechada olhávamos um ao outro com desejo profundo, isso até que ficássemos unidos para sempre pelos órgãos genitais. Isso representava a nossa vida. A nossa sobrevivência. Aleluia!!! Ela era uma fêmea quente com uma cratera cósmica e fumegante. Com os olhos virados deixava praticamente os lábios espumando enquanto valsava de insônia em nome da conjunção carnal fatal. Era a nossa vida, sim, fosse no frio ou no calor. Era o nosso próprio caos dando todo encanto à noite de sábado. De vez em quando eu fazia coisas de improviso, posições de improviso, o que parecia deixá-la agradada. Eu conhecia o seu corpo inteiro, cada fenda, cada poro, cada pinta na pele. Eu sabia exatamente o que devia fazer como se fosse parte dela e ela de mim. Éramos tão treinados que seriamos capazes de interceptar um pensamento antes que ele fosse dito. E quando eu parava em cima dela, ficava absolutamente imóvel com os olhos inteiramente fechados, mas ao mexer-me um pouco ela se transformava numa rosa desabrochando devagar, e logo em seguida num furação de movimentos loucos. Por mais incrível que fosse, nessa transformação eu sempre estava um passo atrás dos seus desejos mais profundos, quando daquele agarra-agarra na roda da luxúria e do prazer. Enquanto eu terminava de comer ela ronronava ofegante num ritmo bendito de querer mais um tanto.Que feliz noite aquela!!! Como era tranquila a nossa vida de caça e caçador na escuridão cheirando a sexo o tempo todo. O que mais tenho a dizer de uma moça como esta? O que importa se era sexo ou amor? O que vália é que ela avançava sobre mim como uma louca, e tudo o que eu tinha a fazer era aceitar. Então uma vez eu disse: "Ainda vou me casar com você!" Ela respondeu: "Talvez eu me case com você!" Onde ela está agora? Eu penso nela dia e noite como se fosse um maníaco,  porque tudo o que eu tinha a fazer era não deixá-la ir. Se eu a tivesse pedido de verdade ela diria sim. Ainda me lembro como me olhou na última vez em que nos beijamos para nunca mais nos vermos. Ela não sabia que estávamos nos despedindo naquela noite para ambos começarem vida nova. Mas antes da nova fase uma longa e tenebrosa tempestade de raios e trovões aconteceu. No fundo não era essa a intenção, o que eu queria mesmo é que ela se casasse comigo. Mas foi o fim de tudo, o adeus em pensamento foi definitivo, principalmente depois que virei a esquina e atravessei a linha fronteiriça que dividia o bem e o mal. Essa Bíblia que levo comigo me trouxe consolo e aprendizado para ser iniciado num novo modo de vida. 
Saiba que eu sobrevivi!  E mesmo que você tenha me deixado morto, acabado, decepcionado, rebelado e tão atordoado que mal conseguia subir dois degraus sem ajuda, eu queria te pedir que viesse comigo outra vez. Sabemos que carrega a mesma velha convicção de que tudo que aconteceu em nossas vidas foi uma contradição fatal, ora, venha assim mesmo.Venha comigo porque não consigo mais viver sem você!
          

9 comentários:

  1. Patricia Ramos Sodero24 de julho de 2012 00:37

    O autor, neste texto, quer nos mostrar o quanto caímos em contradição, quando se trata de sentimentos principalmente.Protestamos,declaramos em público como achamos e vemos as pessoas,mas a verdade é,fazemos tudo por livre escolha,da própria vontade.Ninguém nos obriga a ficar com alguém que nos faz sofrer,que acaba não sendo o esperado.Esperamos muitas coisas do ser humano...mas nem sempre somos retribuídos.É isso que faz com que essa grande contradição, torne-se fatal.Muitos acabam morrendo, literalmente,por não conseguir se libertar de tal sentimento que é maior....consome....alimenta....e até mata.
    Um texto e tanto, Renato....querendo ou não, mas um ato de reflexão, onde devemos pensar mais naquilo que nos vale ou não em nossas vidas.
    Parabéns...até o próximo !!!
    Bjs...

    ResponderExcluir
  2. Uma história de amor não correspondido,triste isso hein!!!!Bom é a realidade de hoje em dia amar sozinho nunca é igual sempre tem um que se machuca e o pior não esquece fica na lembrança,por mais que tente recomeçar acontece as comparações quando conhece alguém é fatal isso.É difícil entender o ser humano quando gostamos e achando que vai dar certo apostando todas as fichas na relação,o inesperado acontece ficamos de novo sozinho,mesmo voltando ao passado pensando se poderia ter feito diferente daria certo.Penso que não pois o amor não era verdadeiro,nada os separa por mais que tenha dificuldade o casal se unem mais fortalece o sentimento que um sente pelo outro.Ficar mal resolvido espanta outras pessoas de se aproximar de você,deixando de ser feliz de novo.Dizem que amar é bom,mas na minha opinião quem ama sofrer muito chega doer pela insegurança de saber que não é correspondida da mesma forma.Tudo isso acontece porque buscamos a felicidade de encontrar alguém que nos complete que seja companheiro em todos os momentos de nossa vida.Nas isso são pra poucos que conseguem encontrar a sua cara metade e ser feliz.Renato,parabéns pelo texto!!!!Bjs!!!!Andréa Cardoso.

    ResponderExcluir
  3. “Nela, eu procurei com afinco me apegar, como se fosse esse o único consolo que me restasse, no entanto, ali pouco encontrei do que realmente procurava”
    Ai, exatamente ai está o erro, colocarmo-nos nas mãos de outra pessoa, deixarmos que a nossa felicidade seja determinada por outro alguém que não nós mesmos. Com certeza estaremos fadados ao fracasso, pois ninguém tem o poder de fazer a outra pessoa feliz ou até mesmo infeliz, essa escolha é só nossa e não adianta tentar culpar o outro por nossas decepções, por nossos fracassos, por nossas culpas, como diz o autor:
    “...continuo buscando razões para condená-la, pois esse é o melhor meio que encontro de condenar a mim mesmo.”
    Pois é, condenando ao outro tentamos esconder a nossa própria culpa, é mais fácil jogar essa responsabilidade nas costas de outra pessoa.
    Quando seria muito mais simples, darmos os exemplos com nossas atitudes, não importando o que o outro fosse pensar, ou como o outro fosse agir, sem falsos discursos, simplesmente agirmos pela nossa vontade, pelo nosso desejo, pelos motivos certos em nosso ponto de vista.
    Tudo teria sido muito mais simples se essa pessoa tivesse se deixado levar por seus sentimentos e pedido aquela moça em casamento, esquecendo qualquer tipo de pudor, simplesmente se deixando levar pelo melhor conselheiro que existe, o coração. Só assim essa linda estória de amor teria um final realmente feliz, ou porque eles ficaram juntos, ou porque ele de alma leve, fez o que pôde para mantê-la ao seu lado.
    O orgulho é mal conselheiro e muitas vezes as pessoas deixam de fazer as coisas, pelo simples fato de acharem que estarão sendo tolos em deixar-se levar pelo seu instinto, achando que estarão dando ao outro uma prova de fraqueza, quando muito pelo contrário, estarão sim, dando uma prova de coragem e confiança em si próprios.
    Novamente adorei seu texto Renato!!! Mais um para se pensar e reavaliar nossa forma de agir e reagir a essa vida, em todos os sentidos, para talvez descobrirmos se os exemplos que estamos dando são em atitudes ou apenas em palavras e se realmente preferimos continuar vivendo uma contradição fatal.

    ResponderExcluir
  4. Para mim, isso é uma declaração nítida de amor. E olha você de novo, nos falando de nossas experiências. Qual de nós já não passou por essa contradição?De a se ver apaixonado por alguém, achar que ela é a solução para todos os seus problemas, que é a pessoa certa e definitiva em sua vida e que será feliz para sempre. Até que algo acontece, que nem você nem ela sabem explicar, que os afastam um do outro e no sofrimento você percebe que não era tudo aquilo que imaginava, a sensação que fica é que só você amou, só você se entregou demais, e aí você se entrega ao desespero, a tristeza e as lembranças daquele amor tórrido, dos momentos de paixão, prazer e volúpias e são inevitáveis as comparações e os porquês. Que bom seria se pudéssemos nos livrar de todas essas lembranças no próximo despertar, mas não é assim,nos alimentamos disso, por mais que nos faça sofrer e lembramos de cada detalhe como se isso pudesse trazer a pessoa de volta,ai você sofre,sente aquela dor no peito que parece que não vai aguentar e se condena pelo fim,mesmo ciente que não dependia só de você.O que aconteceu? Aonde foi parar todo aquele amor, aquela paixão, por que o deixei ir, me calei? Mas em meio a toda essa contradição fatal, você meu amigo ainda pede pra ela voltar, mas geralmente não é essa a nossa atitude, o orgulho ainda fala mais alto para pedir que a pessoa volte e vamos vivendo, na esperança de que um novo amor o faça esquecer o que passou.
    Parabéns novamente, lindo texto, e adorei as introduções que colocastes.
    Bjos no coração.

    ResponderExcluir
  5. Olá!
    As vezes o que sentimos nos prega peças e temos que repensar, rever e voltar onde paramos para perceber o que vale a pena insistir. Linda declaração!

    ResponderExcluir
  6. Boa tarde,o que dizer desse tema uma contradição fatal???Quando estavam juntos não damos valor,e depois de muito tempo pensar o que poderia fazer para dar certo essa relação.Difícil á resposta nunca pensamos na hora sempre bate o arrependimento,mas aí já é tarde não tem como voltar atrás.Fica só as lembranças dos bons e maus momentos e o pior tem gente que não se cura vive do passado.Com certeza tudo na vida pagamos um preço alto pelas nossas atitudes.Parabéns pelo texto!!!Bjs!!!

    ResponderExcluir
  7. "TEXTO BELISSIMO,EM QUE O AUTOR NOS LEVA A MEDITAR...AMOR OU OBSESSÃO?! QUEM DE NÓS NÃO SE DEPAROU COM UM SER ASSIM? PERVERSO, SEM SENTIMENTOS QUE USA E ABUSA DAS NOSSAS FRAGILIDADES...SERES SEM ESCRUPULOS,QUE AO NOS PERCEBEREM APAIXONADOS NOS DESCARTAM COMO SE FOSSEMOS UM BRINQUEDO VELHO...E SAEM A CATA DE OUTRA PESSOA DESAVISADA, PARA ENGENDRAR A MESMA DESTRUIÇÃO...PORQUE!? NOS DEIXAMOS ARRASTAR NESTE TORVELINHO DE EMOÇÕES ?! CARENCIA OU BAIXA AUTO ESTIMA?! PERCEBO QUE SÃO AS DUAS...AS DORES DA ALMA FICAM AS CICATRIZES TAMBEM...POREM, SAIMOS MAIS FORTALECIDOS, CONSCIENTES QUE PODEREMOS SUPERAR E GUARDAR NUM COMPARTIMENTO SECRETO TUDO QUE VIVENCIAMOS...E SEGUIR, POIS A VIDA E´FEITA DE APRENDIZADO...DOLORIDO, SOFRIDO, MAS ALTAMENTE ENRIQUECEDOR..."SE CHOREI OU SE SOFRI...O IMPORTANTE E´QUE EMOÇÕES EU VIVI...SEGUIR, SEM OLHAR PARA TRAZ...SEGUIR !

    ResponderExcluir
  8. "Contradição Fatal" é um tema interessante acho que todos nós já passamos por isso infelizmente como diz:não adianta chorar pelo leite derramado.Porque será que é sempre assim quando temos a pessoa junto e não damos valor só quando perdi vem o arrependimento por não ter cultivado esse sentimento tão bonito e que por ventura deixa escapar a felicidade das mãos levando a brincadeira não dando importância,é que vamos ver que era o grande amor,engraçado isso.Tenho comigo que são poucos que conseguem viver uma história de amor.Bjs.Adriana.

    ResponderExcluir
  9. BOA NOITE!!!ESSE SEU TEXTO CONTRADIÇÃO FATAL FALA SOBRE RELACIONAMENTO É TIPICO DE PESSOAS SEM NENHUM NÍVEL DE SENTIMENTO OU MESMO DE CARÁTER POSSO DIZER ASSIM POIS SE APROXIMAR SE ENVOLVER SEM SENTIMENTO NENHUM PRA MIM SÓ PODE SER UMA PESSOA TOTALMENTE DESPROVIDA DE QUALQUER TIPO DE AMOR DIGO COMEÇANDO POR ELA MESMO.PENSO QUE RELACIONAMENTO JÁ FALA É COMPARTILHAR JUNTOS TUDO,MAS NOS DIAS DE HOJE SÓ QUEREM "FICAR".PARABÉNS!!!!ATÉ.

    ResponderExcluir