Céu Imaginário

    Ninguém será capaz de imaginar tal cena. Nós dois parados ali diante da luz um do outro. A lua cheia é tomada de encantos. A fase desse momento é de harmonia verdadeiramente bela. Estou sendo atraído por esse corpo iluminado em sua aura resplandecente. Há algo deslumbrante nisso tudo. O feixe de luz dos meus olhos reflete diretamente nos seus lábios doces, e que ainda pendem um pouco abertos depois do beijo quente que recebeu. Essa é a cena que tem nos ligado por minutos de pura intimidade. Quanto mais luz bate, mais forte e extraordinária é a sensação desse desejo de aproximação. Sob essa luz o pensamento se torna mais apaixonante e envolvente. Nesse momento uma estranha ideia surge, mesmo que eu me perca na leve e singela contemplação desse corpo que julgo completo.
        Eu estou louco, e me recuso a acreditar que estou tão apaixonado por ela. Mas ela é tão intensa e brilhante que me hipnotiza em cada olhar de admiração. Eu nunca paro um único segundo, talvez só quando durmo, e acabo repousando de verdade parando de pensar um período. É um sono profundo e viajante no qual nunca me lembro dos sonhos ocultos. Mas, eu lembro que uma vez ela me disse que nunca se lembrava do que sonhava, que tinha uma marca própria até quando dormia de dia e eu, quietamente, a observava. Ainda assim continuaria muito bela e original quando acordava. Não há uma única explicação que conseguisse definir o seu modo de ser, principalmente naquele momento em que não emitia tantos brilhos. Mesmo assim mantinha dentro de si um elemento consciente, permanente e vigilante, e que exercia um controle total sobre a demonstração de emoção na minha vida real.
         Ela se move de forma imaginária no meu pensamento, só para somar experiências. Aliás, ela nunca se impressiona com coisa alguma que me aconteça. Para ela é necessário apenas observar e comprovar. Há uma finalidade mais importante que tudo no seu viver: a manutenção de fases mais alegres e mais produtivas e outras um tanto apagadas.
      Em certos momentos, com toda certeza, o seu silencio pode ser tão melodioso quanto a mais exuberante orquestra de Berlim; como também pode, em um segundo, se mostrar totalmente encoberta por uma sombra. Ela é sempre refratária e em sua rebeldia cotidiana reside o inconformismo com a minha realidade, ainda que seja uma rebeldia feita de pedra. Mesmo assim ela estimula o meu desejo e me comove com seu poder magnético. Faz com que eu me volte para dentro de mim e fique receoso em certos momentos, ou até atemorizado com sua expressão passiva. Eu a encaro como uma simples tarefa de conquista. No entanto me lembro exatamente como se porta em determinadas ocasiões: Mantém um olhar pálido de uma maneira fria e distante. Ela é tão enigmática e misteriosa. Surge e desaparece diante dos mesmos olhares com a mesma facilidade que mergulha no meu mar de sonhos. Parece tão resoluta e determinada em alguns instantes e em outros completamente amorfa, com uma postura sem brilho e indecisa. Pena que ela nunca ouviu as frases carinhosas que partiram daqui em sua direção. Ela é como um fantasma que surge de repente em sua magnificência etérea e assombra por um tempo. Tem aquela imagem que avança em qualquer direção e fica presa na retina por longos momentos. Sempre há uma parte dela que se sobressai. O seu corpo é perfeitamente delineado. Lembro exatamente como fica linda numa noite de inverno e céu claro.
         Ela tem uma maneira de irradiar efeitos instantâneos em direção ao meu olhar de admiração. E com a mesma rapidez que eu me sento para conversar, ela desperta a minha fome de paixão. Imagino que segurasse a minha mão e olhasse para o vazio como se estivesse em busca de abrigo. E tudo na minha mente se centralizaria ali para protegê-la. Com essa quase sensação nostálgica eu a teria para mim! Ainda me lembro quando nós dois nos examinávamos com olhar de lascívia. Era como se fosse um sopro mais que agradável de puro êxtase e paixão. Hoje, nessa exaltação, relembro com detalhes os belos momentos em que a curiosidade humana nunca superou a busca desse prazer, pois os olhos se fechavam enquanto as bocas emitiam sons incompreensíveis,  e os corpos serpenteavam de maneira completamente alucinante. Ela é tão potente no seu vai e vem... É flexível e muito vigorosa. Movimenta o corpo num sobe e desce como se estivesse em um balanço infantil. Acima de mim a sua silhueta cresce e descreve linhas retas com longos movimentos. É um corpo rijo e claro, coberto por algo que é só emoção. E entre todos as coisas que já vi, essa foi a vista mais rara que encontrei. Tanto por sua exuberância, como por sua personalidade inquieta. Os seus pequenos montes são perfeitamente harmoniosos para sua beleza de sinônimo feminino. E ela sabe que eu gosto de me imaginar tocando-a carinhosamente, e de beija-la quando ameaça partir . E no momento em que me afasto vagarosamente do seu brilho, o nosso grande segredo está revelado. Somos dois e somos um. Estamos ligados por uma sensação que nos completa. Nesse momento já não penso em nada e tampouco ligo para o que possa acontecer depois. Espero com ansiedade o anoitecer, vou torcendo para que o céu esteja livre das nuvens que encobrem o meu amor. E que finalmente a sua luz ilumine o meu rosto ávido de paixão. Que o reflexo dessa luz mostre o meu caminho. Nessa criação interminável, desfrutamos desse amor misterioso que gira pelo céu silencioso com prazer e delírio. E todos nossos esforços são canalizados para um único ponto que transborda em prazeres abundantes e luxuriantes, tornando essa vida totalmente recompensada. Então, após o seu último movimento, coloco o meu ouvido voltado para o céu. Tento ouvir o que sussurra em repetição. Emite um mantra que me leva até o transe mais profundo que já vivi. Parece dizer: eu te amo. Eu me concentro nisso, tento acreditar. Tento absorver com compreensão, ainda um tanto desajeitado, o que tanto sussurra baixinho. A sua figura continua ali, fazendo com que todas palavras desmoronem, e em seguida se dissolvam no ar antes que cheguem até a minha compreensão. De fato nada mais há do que meros sussurros inaudíveis. Nada que se compare ao meu desejo de ouvi-la dizer novamente: Eu te amo! Tento desprender o olhar, para no instante seguinte tentar reencontra-la sóbria de razão. Imagino: “Ela também tem sentimentos, sente algo bom e espontâneo por mim.” Não quero perde-la nunca. O meu pulso, nesse instante, trabalha bruscamente com batidas fortes e rápidas. Quero tanto que seus sentimentos não estejam mal orientados, que não sejam apenas pelo prazer de me olhar de longe. Nunca! Jamais gostaria de me sentir enganado pelo destino que trouxe o seu brilho até mim. Que peça cruel de ironia seria descobrir uma verdade assim; seriam como mentiras cortantes na ponta de uma faca amolada. Como poderia explicar a mim mesmo um fracasso que dura tanto tempo? Eu sempre soube que muitas verdades são construídas com mentiras. O que prevalece é aquilo em que qualquer um quer acreditar. Queria descobrir por que gosto tanto de olhar para você assim. Parece tudo um choque tão grande quando descubro que me escolheu entre tantos que a tentaram seduzir. O sentimento que mantém no momento é o de entrega e em seguida eu sei que tudo será perfeito se você não fugir outra vez. E mesmo que a contragosto, eu tente me convencer do contrário, a tática não funciona e você vai embora para voltar depois. É de uma forma quase dramática que a sua imagem toma conta do meu pensamento dia e noite. Quantas vezes parei diante do seu olhar e tentei abandonar a corrente do raciocínio coerente? Tentei tanto me embrenhar em pensamentos fúteis sobre qualquer tolice, apenas para não pensar, apenas admirá-la. Perdi a conta de tantas vezes que busquei essa cura. Sempre que começava a pensar na evolução desse amor, eu me surpreendia por talvez ter sido o meu primeiro amor verdadeiro e o mais sofrido que nunca acaba. Depois de alguns minutos de descanso, acabo me recompondo e saio debaixo do seu foco, deito de lado olhando o céu azul, de onde despontavam pequenos flocos de nuvens em meio às folhagens do alto das árvores que sombreiam o meu chão.
       Olho para a sua face e sorrio, novamente falo coisas sem sentido nas juras de amor. Você parece tão contente comigo agora. Comporta-se como se fizesse o possível e o impossível para ser meiga e agradável. E nesse momento tenho a recompensa que tanto busco. É o seu sorriso terno. Algo que provavelmente nunca mais se repetirá do mesmo jeito, pois esse momento é exclusivamente meu. Você me dá aquela sensação de super-poderes que não consigo controlar, quando procuro cegamente atravessar a linha que divide o momento da excitação para o momento desse prazer reflexivo. Nessa hora me levanto e balanço a relva. Aí que realmente noto o quanto realmente você é  um encanto irresistível aos meus olhos. Eu sei que, a partir de cada instante de admiração, quase me atiro em cada detalhe da historia que compartilhamos. Os meus pensamentos se tornam indiscretos, sempre contra a minha vontade, acabam colocando seus sussurros sob suspeita. Não consigo entender por que aparecem à mente tais dúvidas? Sim, nesse momento e em vários outros, muitas imagens se passam pelo meu pensamento. O seu comportamento é normal, mas há algo sinistro que eu ainda não identifico. Uma ideia começa surgir partindo desse momento de emoção. Começo investigar o seu passado furtivamente, todas as vezes que já passou por aqui. Logo me lembro da maneira distante como me tratava desde o princípio. Minhas suspeitas sobre a sinceridade do seu amor cresceram cada vez mais, isso a cada noite. Quando reparo que  decidiu me submeter ao seu gosto fazendo as coisas só do seu jeito, fazendo-me de bobo toda vez como escravo dos seus desejos por um tempo. De novo é a senhora da situação nesse momento. Faz manobras com o pouco que aprendeu sobre a  minha história de vida. Fico imaginando como pôde aperfeiçoar armadilhas para que eu caísse apaixonado toda vez que aparece no meu céu? Seria capaz de revelar a verdade sobre o elo que nos liga? Todas minhas tentativas de fuga são complicadas, e praticamente inúteis. Você possui grande habilidade para manter o rumo certo. Eu sei que está me dominando em alguma coisa, mas não posso definir em que. Então imagino, que talvez a qualquer instante, num ato insano, posso saltar do olhar extremamente carinhoso para um ato raivoso e cruel de desprezo. Seria um grande choque detectar a verdade, isso em um nível tão diferente que me deixasse completamente decepcionado com o seu brilho. Parece que gosta de me usar para que eu a admire sempre, omitindo muitas mentiras nessas verdades que me revela. Em sua conduta não há um só movimento que possa ser desprezado ou que seja fora do rumo. Será que é uma fugidia e essa é a imagem que amo? Então continuo perguntando a mim mesmo o que seria melhor: “Suportar o prazer diante de uma ilusão; ou ficar com a dor da sua ausência e da  sua presença inconstantes, com a descoberta que somos tão próximos e tão diferentes?” Curiosamente me convenço de que estou certo em minhas suspeitas e a abandono por um tempo. Não suportaria carregar o peso da angustia ao constatar que não tem as qualidades permanentes que eu esperava, você vive de fases. Acho uma boa ideia dividirmos nossos caminhos enquanto ainda é cedo da noite. Fico aterrorizado esperando a qualquer momento o seu brilho se apagar do meu caminho. O veneno está no ponto de ebulição. Veio desde o dia em que fingi acreditar que o que me contava de madrugada era verdade. Uma estranha bifurcação ocorreu em nossas vidas e nossos caminhos se separaram quando a sua claridade interior terminou. Mesmo que agora, depois de muito tempo passado, ainda seja extremamente prazeroso e encantador, admirar o seu brilho refletido à distância. Aprendo com você que a coisa mais inexplicável que a vida pode ter: é o controle das sensações, e de todas expressões do poder da atração de um pelo outro. Mesmo que esse poder seja totalmente incoerente com a verdade que nos cerca. Ou que, certas sensações, eternamente se manifestem tão próximas de mim, que me torne uma metamorfose dividida pelo amor e pela ilusão de um viver sob a luz do seu sorriso falso, mas com um pretexto adorável. Eu, mesmo assim, ainda seguro as rédeas do destino com força, controlando e determinando o caminho que devemos seguir pela eternidade, mesmo que duvide de tudo que já passou e de tudo que está por vir. Essas coisas que acontecem cada vez que você surge no meu céu imaginário.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A Luz Fraca Do Abajur

Decisão

O E-Mail-Carta Parte 8