quarta-feira, 8 de fevereiro de 2012

Uma Breve Vida PARTE 7

     Para as pessoas que acham que fico deitando horas e horas sem fazer nada,  dedicando o meu tempo única e exclusivamente, me divertindo contando tudo o que descobri da vida de um ser maligno: lamento. Pois, se estão com a impressão errada é porque a impressão de vocês é que está muito longe da realidade que a fada e eu um dia vivemos. Parece que alguns seres rabugentos e muito prepotentes que protegem a fada, estão indignados por eu ter sido o escolhido para desmascarar toda farsa. Não só as criadas por ela, mas também as das suas impetuosas seguidoras. Sabem de uma coisa? Faz algum tempo que estou tentando, com o maior esforço possível, destruir a trilha de horrores que  vocês criam na vida de muitos que não reconhecem os seus disfarces. Falo dessas pessoas que vocês espreitam no escuro e que podem cair numa teia silenciosa de morte a qualquer momento. Basta com tantos horrores! Não exergam que isso tem que acabar? Os escravos emocionais que cada uma de vocês carrega, já são suficientes para atender todos caprichosos prazeres dessa carne apodrecida. As mentes tomadas por medo e tristeza que convivem com vocês se perderam no escuro. Fico profundamente admirado por ainda me perseguirem, ameaçarem e criticarem o meu modo de ser. E tudo sendo feito numa telepatia devastadora enquanto durmo. Úrsula, pare de incomodar o meu sono!  Não aguento mais tantas mensagens avisando que a fada se aproxima. Por quê vocês estão tão interessadas na minha missão? O que querem descobrir dentro da minha mente? Saibam que os alvos disso tudo acabarão como devem acabar. Não tem jeito. Saibam que a justiça será feita nesse mundo ou em outro qualquer, mesmo que ainda vivam de superficialidades e aparências como fazem aqui. O destino de todas está traçado e marcado com ferro em brasa. Não adianta mais me lançarem olhares de reprovação ou desprezo, isso não me atinge como antes. A única coisa que ficou guardada em mim é o fedor insuportável da casa de vocês. Um lugar onde não passei um só momento agradável nessa breve vida. Imagino que se essas paredes caíssem agora, os porcos pisando em lavagem misturada em fezes ficariam à amostra. Em nenhum instante consigo me livrar dessa sensação incomoda dos momentos que sempre terminavam com agressões verbais e ofensas à dignidade humana. Foram os horrores vindos desse lugar, onde não se vê um sorriso no rosto ou gesto de afeto, que me deixaram assim. O que prevalece aí são choros pelos cantos com caras amarradas e tristes, tudo por dificuldade em aceitar contrariedades e frustrações. Mas eu nunca desisti, não sou de desistir de nada, suportei o quanto pude, durante uma breve vida, e praticamente sem reclamar. Se não desisti antes, muito menos agora; tenham certeza disso! Nem quando forças desconhecidas tomam o meu pensamento, fazendo com que eu tenha apenas uma lembrança morna dos tantos horrores que passei aí com vocês. Nem essa fraca visão consegue amainar a minha ira. Lembro melhor agora dos ataques às cegas que recebi, e das injurias que sofri, principalmente desse Ser mal educado pelos pais que chamo de fada monstro. Essas lembranças ficam indo e vindo, mas não se firmam para que eu possa ter noção de 100% do que na verdade vivi e sofri. Essa sensação entrecortada me deixa desorientado e a única coisa que sei é que todos estão redondamente enganados a meu respeito, porque nem eu mesmo sei quem sou ou do que sou capaz. Inclusive a fada não sabia quem eu era quando ela era só fada no meu pensamento. Há aqueles de fora que rodeiam essa trupe, – em geral gente desinformada e inocente sobre as quais o mal impera sem que elas saibam. Essa gente pode ter uma visão diferenciada de mim, não me importo com isso. Reconheço que é uma visão imposta pelos argumentos deturpados que vocês inventam. São as histórias fictícias que encobrem a verdade daquilo que realmente aconteceu numa breve vida – e agora por raiva, acabam culpando todos que bateram à porta de vocês como sendo gente imprestável. No entanto, “os de dentro”, aqueles que já frequentaram o mesmo ambiente, sabem muito bem qual é o único problema que está em todos os fracassos que vocês carregam por anos e anos a fio. E desse interesse incurável na dominação das mentes dos mais fracos. Reconhecem agora que algumas possessões nunca surtiram o efeito desejado, porque no fundo vocês não são tão fortes assim? Nem tudo se pode comprar com dinheiro ou influências malignas de quem tem poder, ou pertence a uma sociedade oculta de gente que não respeita os direitos dos outros. Muito menos  gente que não sabe dar algum valor à decência no tratamento ao seu semelhante. Gente que é assim como vocês: bem instruída, mas muito mal-educada e sem qualquer consciência de civilidade. Gente assim não pode alcançar a felicidade. De uns tempos para cá muita coisa mudou entre nós, vocês sabem bem disso, tudo por culpa da falta de noção, misturada com a falta de respeito que vieram daí. E que continua vindo em forma de perseguição com censura intelectual da mente. Que triste isso...
        Certa vez alguém disse ao pé do ouvido de outro alguém: "todos dessa linhagem de monstros são perfeitos, culturalmente formados e sadios, e qualquer mudança que sofreram durante a transição só serviu para trazer um beneficio de evolução na personalidade de mudar de cara o tempo todo". Mas o que há de tão especial na raça de vocês que faz com que se projetem tanto sobre os outros? Um homem triste e perdido no tempo escreveu um poema para uma mulher, pena que ela não tenha mais como se lembrar dessas palavras, pois elas se encaixariam bem no que nós fomos em vidas passadas. Dizia mais ou menos isso: “Os seus dedos estão fincados em mim como garras de um gato nas ancas de uma gata no cio. Vejo tudo com exatidão, até mesmo a lua, que em sua órbita perfeita circula esse céu de véus negros. Diante de nós uma encruzilhada com caminhos que levam a descaminhos. Longas e tortuosas são essas estradas com curvas e serenas trilhas. Em cada extremo um mundo nos aguarda. Um deles em meio aos raios e trovões, outro na aurora calma de um novo dia. Para qual dos lados iremos quando a firmeza desse abraço terminar?” O intelecto evoluído de vocês talvez permita decifrar essa mensagem, ou não... Existe algo muito mais sensato que exames de graduação ou de mentes brilhantes, é a conhecida sabedoria popular, uma característica bem peculiar daqueles que tem sinceridade no olhar e no viver, seres quem não ficam se lamentando para todos sobre a sua origem e destino. Bem... Nada mais importa. Um sensitivo disse uma vez: "O meu nome não é chico e nem Francisco, sou apenas um cisco..." Eu também sou apenas um cisco no universo, eu garanto. Sei que vocês continuam todo o tempo farejando alguma coisa nova pelo mundo. Talvez atrás de algum tipo de palerma que acredite em falsas expectativas. Por acaso vocês estariam pensando em alguém parecido com Brad Pitt ou Tom Cruise? Tanto faz... Por que nenhuma de vocês será leal a qualquer escolhido, nem mesmo enquanto as garras dele estiverem fincadas em suas ancas, porque o pensamento de cada uma estará longe, bem distante, talvez em outra época, em outra vivência. Muito menos se o escolhido deslizar com calma e firmeza por cima do corpo que arde em chamas por dentro, mas por fora é apenas uma sombra. Nunca serão leais, isso é certo! Esse Ser escolhido irá ficando aos poucos mutilado em seus sentimentos, nunca aprenderá a lutar contra quem lhe rouba o coração apaixonado, e também sempre terá o corpo sedento de carinho e a mente iludida por alguma coisa que nunca existirá. Quanta impertinência existe em quem tenta combater isso e diz essas coisas para vocês, que são vistas como o trio do mal, não é mesmo? Sei que vocês estão andando em silencio com mantos negros, livros de magia e um ar de que não é de vocês que estou falando. Enquanto isso vão prestando atenção no escuro, imaginando novos fatos apavorantes que poderão realizar. É preciso ver para crer tudo o que já fizeram. Essas coisas poderiam ser apenas o relato de um grande pesadelo de alguém, mas não são. É a tomada de tudo de bom que existiu nesse mundo, porque vocês se julgam superiores. Esperam o momento certo para subjugar levando o próximo escolhido para dentro da casa que fede, sentando-o no sofá e servindo gentilmente bebida e comida. Talvez pudessem até convida-lo para uma festa regada com vinho importado e queijos finos. Ahhh... O meu amigo Shine adoraria desfilar por essa mesa farta. Vocês são mesmo atrizes muito talentosas! -- Eu afirmo com toda certeza--. Esse pensamento acaba comigo. Melhor tentar lembrar de um momento meigo. Como, por exemplo, o leve toque da ponta dos dedos deslizando pelas costas nuas daquela fêmea. Enquanto ela se ajeita, esticando e deixando o corpo leve, eu sonho. A luz artificial ilumina o ambiente, o mormaço é aliviado por uma hélice pequena. Estamos cercados por  quatro paredes de tecido grosso que ficam em linhas verticais de até 2 metros de altura. Soa a mais perfeita atmosfera de entrega e paixão. Não ouvimos o cantar das aves e nem tampouco o som das árvores se movimentando com o vento. O ruído mecânico é o único naturalmente sedutor nessa hora. Há só uma virtude que nos faz acariciar um ao outro com mãos leves e beijos rasos, é a do desejo sexualmente transparente e insaciável. Não há calor maior que o calor dos nossos corpos grudando um no outro. Não há barulho forte o suficiente que encubra os gritos abafados de prazer; ou dessa vontade inconfessável estampada nos olhares penetrantes desses corpos que vertem facilidades. Todos os caminhos são abertos para a satisfação do desejo carnal que transmite sossego e paz. Isso tudo acontecendo enquanto as paredes frágeis balançam com a brisa da madrugada. Os corpos vão se encaixando um no outro, envolvidos na loucura de um transe que faz rolar pelo chão. É um ritual onde o espírito fala através dos corpos excitados que torna as mentes calmas. Que cena linda é essa dos corpos nus que se esfregam com tanta vontade e em seguida dormem abraçadinhos? Eu finalmente consigo pensar em algo bom. Aleluia! A lua está no céu, a iluminação da sua superfície não é completa. Ao seu lado desfilam estrelas, planetas e constelações brilhantes que se destacam ao fundo. Não há nada mais belo que as cores da natureza e da luz que ilumina todas as almas. Estou em delírio e êxtase... Toc toc.... Toc toc... Toc toc.... Toc toc.... Ouço alguém batendo na madeira. Afasto a tampa. Luzes... Luzes e mais luzes... Tons em violeta e amarelo que cegam. Focos dirigidos iluminam o interior do ambiente. Uma voz suave diz: “Onde estavam os seus pensamentos durante todo esse tempo, senhor”? “É você, shine? A sua luz amarela está me cegando!” “Sim, sou eu. Onde estavam os seus pensamentos durante todo esse tempo? Vamos, responda senhor!” “Não sei Shine, sonhei coisas ruins e coisas boas.” “Não, não... O senhor pensou coisas que não deveria pensar. Dessa forma demorará para adquirir as forças necessárias para a batalha que o espera. O senhor precisa de energias puras advindas do amor divino, esqueceu? Controle os seus sonhos perturbadores.” Nesse momento Dig diz algo: “A nossa última conversa não lhe serviu de lição pelo que vejo. Pressinto em você fraquezas da alma que reluta em ser purificada. Não lhe avisei que o apren... cof... cof... cof... cof... cof... desculpe, ainda estou com tosse, que o aprendizado lhe serviria como defesa?” Eu respondo: “Sim, mas não consigo, estou tentando não remoer rancores, mas não consigo, não consigo...” Dig diz: “Você continuará eternamente nesse plano se não aprender a controlar impulsos. Imagine coisas boas. Lembre dos bons momentos que já viveu, você conseguiu isso a pouco. Lembre-se de coisas que acalentam o seu espírito em evolução.” Dig vira-se para Shine e diz: “Vamos leva-lo numa viagem para mostrar um pouco de felicidade?” Shine responde: “Você não acha que é cedo para essa revelação? Creio que ele ainda não esteja preparado” Dig: “Ele irá mudar de opinião e de comportamento depois de testemunhar o que vamos mostrar”. Shine: “Está bem...” Dig começa contar uma história: “Você agora irá conosco até um lugar que nunca imaginou que existisse, quando esteve ao lado da fada no passado. É um reino que se chama felicidade. É uma lição que precisa aprender visualizando na mente. Isso o fará saber que existe esperança para tudo e todos em qualquer dimensão ou em qualquer vida que se viva. Nós o levaremos até onde o protegido da fada vive. Ele foi um caso raro, ficou acorrentado durante anos. Um número de dias quase impossível de se contar. Os anos que se passaram foram de um simbolismo importante para o significado da existência dele. Ele teve que cumprir o seu destino que estava marcado para encerrar-se quando chegasse o número mais amaldiçoado da era cristã. Tudo por que esse foi o número de presentes na mesa da última ceia, onde estava a fada ocupando um lugar de destaque em seu disfarce masculino mais conhecido. Uma lealdade corrompida por 30 moedas de prata, segundo disse Lucas. O protegido da fada teve todo esse tempo para aprendizado e libertação. Ao libertar-se do feitiço maléfico, ele tornou-se um Ser protegido por ela, porque ela julgava que poderia submetê-lo de novo sob os seus encantos, mas dessa vez por um tempo infinito. Mas ele não voltará, aprendeu como se livrar de subordinações para sempre. Ele usou de uma tática que lhe contarei depois. Mas mesmo assim, ela jamais desistirá, ele será uma reconquista de honra em sua existência maléfica que não admite fracassos. Siga-nos, iremos pelo túnel que criei!” Dig vai na frente, Shine acompanha e eu vou observando de um jeito desconfiado. O túnel é perfeito. Sempre descendo em curvas para direita e para esquerda. O lugar é escuro, mas logo consigo observar as paredes bem arredondadas. O tom de claridade vai aumentando aos poucos. Depois da última curva chegamos numa parte plana que parece uma reta final. Bem a nossa frente um brilho intenso como se fosse do sol de verão ardendo ao meio dia. Paro imediatamente. Os amigos seguem e param um pouco a frente. Olham para trás, Dig diz: “Venha, esse sol não lhe afetará, lhe garanto!” Ele continua e eu o sigo até a borda do túnel. A luz ofusca a vista. Estamos os três parados de frente a um lugar maravilhoso na beira de um abismo. Eu pergunto para Dig: "Como chegaremos do outro lado?" Dig responde: "É facil. Coloque Shine sobre o seu ombro direito e suba em cima da minha carapaça". Obedeço... Num instante, antes que eu subisse totalmente, duas asas enormes se abrem. Agora estão esticadas fazendo um movimento lento para cima e para baixo. São como as asas do dragão alado de Rá. Dig avisa: "Segurem-se que lá vamos nós"! O vôo é praticamente verticalizado rumo aos campos verdes, Dig faz uma curva rasante e logo depois sobe e gira num looping. Vira para a esquerda e segue para a cidade. O lugar está cheio de luzes que parecem arco-íris cruzados saindo de todos os lados do céu. Fontes de água cristalina jorrando em profusão. Lindos animais em pares e de diversas espécies desfilam tranqüilamente pelos campos verdes, alguns têm pêlo bem escovado. Do lado para onde seguimos tem a cidade, do outro o mar, e na direita, um pouco a frente, o campo que nunca termina. As ondas do mar sobem em formato de lábios carnudos que beijam a beirada da lua crescente. O céu tem o grande Sol juntamente com as estrelas que mudam de lugar a todo instante. Chegamos em solo firme quando Shine diz: “Vamos por aqui, conheço um atalho até a casa do protegido.” Descemos por um morro que parece coberto por flocos de algodão doce salpicado com açúcar queimado. Tudo é tão suavemente calmo e gentil. Ouço cantos alegres de pássaros que felicitam a nossa chegada. Por onde passamos a relva vai se mexendo ao abrir caminho. As árvores movem seus galhos para cima e para baixo. Bichos da madeira botam as cabecinhas para fora dos troncos em sinal de aprovação por nossa chegada. Enquanto olhamos tudo ao redor, nuvens brancas aparecem no céu em forma de dedo indicador apontando o destino que devemos seguir. O local aonde vamos fica bem no pé de um dos arco-íris largos. Chegamos perto. Estamos diante de um prédio azul e branco onde os tons azul, amarelo, vermelho e rosa caem por trás do telhado. Há uma grande movimentação intensa de entra e sai de gente apressada, em seguida um grande portão de ferro se fecha sem ninguém empurrando, isso logo ao terceiro longo toque do sino. Shine diz: “Veja senhor, esse é o lugar onde o protegido da fada passa a maior parte dos seus dias. Olha só que pintura linda! O tom de azul do mar é magnífico! E o branco então? É profundo e limpo. O protegido não está aqui agora, ele está em outro lugar sendo feliz. Vamos lá!” Seguimos mais um pouco pisando no piso fofo de algodão. De repente Dig olha para Shine e diz: “Agora”! Eles alçam vôo, ficam tão altos quanto os pássaros que passam em revoadas. Shine dá um grito como se fosse o chiado estridente de um morcego: “Venha! Vamos, você também pode flutuar. Tente!Suba até aqui que precisamos de uma visão panorâmica.” Dou um impulso e acabo flutuando entre os dois. Dig aponta com o focinho e diz: “Ali, onde termina o arco-íris, é a casa do protegido, veja o que acontece lá.” Fecho os olhos e firmo o pensamento. As pessoas estão andando de um lado para o outro tranquilamente, conversam alegremente, sorriem e brincam... Há uma criança pequena e uma moça jovem extremamente exuberante. Essa moça sorri, conversa sorrindo, leva doces sorrindo, vai e volta sorrindo. Nunca desanima. O seu bom humor é aparente e constante. Dig diz: “O protegido da fada é aquele que está ao lado da moça que sorri. Ela sorri por que está feliz ao lado dele. Ele a faz feliz desde que se libertou do destino cruel que a fada queria lhe impor. Olhe para ele, preste atenção! Veja o jeito como se veste, como se penteia, como anda e como fala. Consegue sentir tudo isso com os olhos fechados?” “Sim Dig, Eu sinto. Ele fala igual a fada. Usa as mesmas palavras e expressões. Gosta da mesma música e mantém marcas em seu corpo que ela adora.” Dig diz: “Sim, é verdade, mas o oposto disso também é verdade. A fada imitou tudo dele, menos a personalidade gentil e as palavras doces. Ainda que ele quisesse se livrar de tudo que uniu os dois, não teria mais jeito. Existem marcas que não dá para esconder, o importante é que o principal ele conseguiu: A libertação. Ele libertou a sua alma das garras dela. Olha lá a família dele, compare com o que você viu da fada junto com as guardiãs.” “Sim Dig, a família dele é feliz. Eles bebem e comem juntos, passeiam de bicicleta e demonstram amor sincero uns pelos outros. Nossa! Eles gostam de animais e crianças.” “É verdade. O senhor está vendo aquela criança? – Diz Shine – Respondo: “Sim. Quem é?” Shine explica: “Senhor, aquela criança é o que faz a fada não se aproximar do protegido para escravizar a sua alma. O protegido tem uma missão a cumprir com esse pequeno Ser. Isso está escrito. Essa criança recebeu o nome de um dos seguidores do nosso Senhor que ilumina e conduz. A fada não poderá toca-lo enquanto existir um tipo de afeto que só as crianças transmitem aqueles a quem amam. Por isso ela espera. Mantêm vigilância e aceita o destino. Mas não desiste. Ela sabe que a criança é a salva-guarda dele enquanto o amor puro existir.” “Sim, mas e depois? E quando a criança crescer e esse amor puro for substituído por outro?” Shine diz: “É aí que você entra na história. Essa é a sua missão. Você deverá alcançar a fada pelo protegido dela antes que a criança cresça. O protegido é o ponto fraco que deve ser trabalhado. Você não fará mal algum a ele, apenas o usará como o objetivo para enfraquece-la. Outra coisa, logo logo iremos dar um passeio para conhecer o protegido de Úrsula, a pequena ursa, aquela bruxa agressiva e mal-humorada. Logo saberá como alcançar o ponto fraco dela também”. “Certo, mas como farei isso?” “Senhor, no momento não podemos explicar tudo de uma só vez. Esse conhecimento virá naturalmente quando sua mente obtiver o equilíbrio pleno, o que esperamos aconteça em breve. Enquanto isso observe mais um pouco aqueles sorrisos, veja como aquele ambiente brilha numa limpeza que dá aos olhos uma sensação de conforto e aconchego. Veja como a mobília é  simples. A casa é humilde, mas as pessoas são felizes. Até as paredes ficam iluminadas com a aura ofuscante dessa alegre convivência harmoniosa. Veja o homem vestido de palhaço, ele tem o bom humor natural para alegrar as crianças. Ele se veste com fantasias de bichos porque adora os pequeninos, tanto quanto os idosos, os animais, os oprimidos pela vida e os abandonados. Ele pode parecer um tanto estranho em seus costumes, mas é sincero e agradável porque sabe sorrir. Ele é o protegido da fada. Ele se libertou sendo desse jeito, alegrando aos outros, cultivando o bem e fazendo coisas que ela odiava. Hoje ela inveja o que ele vive, mas não sabe como destruir esse reino encantado para possuí-lo de novo. Antes de aprender essa lição ele era como você. Pense sobre isso. Quem sabe assim fará aflorar a força interior para cumprir a missão que todos esperamos que cumpra. Agora vamos voltar. Você precisa de um pouco da brisa da noite para fortalecer esse espectro e purificar os pensamentos”. Quando abro os olhos estou de volta ao meu leito de repouso eterno. O silencio reina na escuridão. Sigo o conselho do meu amigo Shine e saio para um passeio que irá me trazer uma nova visão sobre tudo o que me espera adiante.    

7 comentários:

  1. Duas passagens maravilhosas no texto. Primeiro o poema que um homem triste escreveu para uma mulher, quanta verdade nessas palavras, quantas perguntas...um momento de encontro entre um homem e uma mulher...tudo em sintonia, tudo é
    perfeição, mas o encontro é breve, e ao terminar aquele "perfeito abraço" que caminhos irão seguir? Que escolhas farão? Quais fatos surgirão advindos desse ato? Seguirão para a aurora calma de um novo dia ou caminharão entre raios e trovões? Muito lindo.....são perguntas inquietantes, o encontro entre duas pessoas é sempre um caminhar pelo desconhecido, o outro é sempre um mistério.
    A segunda passagem é o momento meigo que nosso herói recorda tentando afastar os pensamentos ruins, descreve o ato sexual, mas realmente meigo é a palavra certa, existe poesia em toda a narrativa, a impressão que se tem lendo essas linhas é de algo leve, encantador, embora fale de corpos se empurrando, satisfação do desejo carnal, loucura de um transe, rolar pelo chão, sabemos que o ato sexual não é meigo nem leve, ao contrário sempre traz ansiedades e urgências
    a serem satisfeitas, mas as palavras foram tão lindamente escolhidas que só encontro
    termos para citar esse trecho como doçura, encantamento, sedução.

    Meus cumprimentos sr. autor, fiquei tão grudada nessas duas passagens, tantos pensamentos indo e vindo que quase me impedem de lembrar o todo do texto.

    Mas tive a impressão de que nosso heroi parece mais seguro de sua missão embora não a conheça completamente. Tem a convicção de que o destino de cada um está marcado com ferro em brasa e a justiça vai se cumprir.Se sente mais forte para o embate e nem pensa em desistir. Ainda assim, é atormentado por pensamentos que o levam à exploração de pessoas ingenuas, pelas emissárias do mal, seus corações apaixonados e cheios de expectativas subjulgados por seres que corrompem com dinheiro, falta de respeito, perseguição, censura intelectual, falta de civilidade. Nosso herói sabe que embora seja somente um "sisco" pode vencer aquelas que se julgam superiores. Seus protetores começam a desvendar parte de sua missão, mostrando a importancia de se manter em harmonia, em felicidade, entre sorrisos para o fortalecimento do bem na luta contra o mal.

    Adorei a leitura!!

    ResponderExcluir
  2. Do inferno ao paraíso...Ele passou das lembranças de coisas, lugares e pessoas más, para o verdadeiro paraíso, onde tudo e todos são perfeitos. Das lembranças do lugar horrível e asqueroso em que ela e seus seguidores vivem, ao lugar perfeito, cheio de beleza, limpo e leve onde vive o protegido da fada, junto das pessoas que ele ama. É incrível como você descreveu tudo isso!!! Incrível também a forma como falou sobre a lembrança dele do “momento meigo” , muito lindas suas palavras: ” É um ritual onde o espírito fala através desses corpos excitados e dessas mentes calmas”, nossa!!!! ficou fantástico!!!! não canso de reler esse trecho. O poema, a sua associação da fada monstro a Judas, muito bom!!!! Mais um capítulo emocionante e inteligente! Nosso amigo tem uma longa jornada pela frente, muitos desafios e acredito que o maior deles não seja a fada monstro e sim ele próprio, pois ele tem que vencer esse rancor que tem por tudo que ela lhe fez, ele tem que ter os sentimentos que ela mais deseja e não permitir que ela os roube dele, ele tem que ser tão forte quanto foi o protegido dela e quem sabe assim ele consiga conquistar a liberdade e felicidade que ele, o protegido, conquistou e finalmente destrua a ela e todos os seus seguidores. Adorei!!!!!!! Bjs.

    ResponderExcluir
  3. Patricia Ramos Sodero10 de fevereiro de 2012 02:09

    Acredito que neste texto,nosso amigo realmente encontrou sua liberdade.....
    Liberdade essa,para que analise sua missão,ainda não completa,pois precisa descobrir o que ele mesmo necessita para vencer seus medos,mágoas,ódios,rancores do seu passado.Ele tem que viver e deixar "entrar",em sua vida, a alegria,a felicidade, a vontade de fazer o bem a todos,sem deixar que a "fada" respire e tire todas suas energias, forças.
    Tem que lutar tanto quanto, ou mais, como o "protegido" fez: mesmo sugando toda a energia positiva,querendo derrotá-lo.....VENCEU!!!
    Agora,é hora dele caminhar e vencer os sentimentos ruins, junto com seus amigos Shine e Dig, que foram incubidos desta missão.....mostrar-lhe o caminho....o lado bom!!!
    Nosso amigo, aos poucos,chegará na destruição dessa "fada",que tanto pertuba-o....assim como todos que nela acreditam.
    Adorei seu texto, e estou ansiosa para que logo venham os outros capítulos....Vc é incrível, meu amigo autor!!!
    Grande beijo...até a próxima.

    ResponderExcluir
  4. Capítulo revelador.
    Achei esta parte muito bonita. Poesia romantica, momento de paixão e êxtase, aventura, fábula, família feliz, inocência e pureza de criança...
    Uma viagem reveladora a um reino chamado felicidade provando que sempre há esperança. Com esse nome este reino só poderia ser mesmo lindo e totalmente diferente do mundo que cerca o nosso falecido. Mais revelações estão por vir, aguardemos.

    ResponderExcluir
  5. Sabe senhor autor o que estou pensando..pode até ser que eu esteja errada,mas me parece que essa breve vida que nosso amigo fala ,não foi em terra mas sim do lado da fada monstro aonde ela se encontra com as suas fieis mensageiras...Tomara que com que ele agora tenha só pensamentos bons ,com o passeio que ele deu com seus amigos Shine e Dig...Mas agora gostaria de saber como ele fará para usar o protegido da fada contra ela mesma ..e com certeza o mais rápido possivel já que isso tem que acontecer antes que a criança cresça..mas vamos esperar os próximos capítulos e ver o que acontece..bjkssss

    ResponderExcluir
  6. Morte lenta, dor insuportável, lembranças intermináveis. Quantas pessoas morrem assim por dia? Acredito que muitas. Creio que a fada também já teve uma breve vida, ou achava que tinha. Morreu, apodreceu e não percebeu. Talvez nem se deu conta de estar envolvendo alguém em seu cemitério de lembranças, frustrações e paranóias. Não acho que o personagem foi escolhido, poderia ser qualquer outro. Mas ele que atravessou este cemitério, se envolveu, se apaixonou...Investiu todos os seus sentimentos na fada. Quem sabe achando que a traria para vida novamente. Na realidade nem ele sabia se estava vivendo ou morrendo. Em momentos a vida era sublime, em outros a morte rondava. Morreu...e nada restou, apenas dúvidas e perguntas sem respostas. Agora percorre os mesmos caminhos buscando algo que só ele sabe e entende. Mesmo que tenha medo do confronto ele arrisca. Mas acredito que as respostas estão dentro dele, mas não são as que ele gostaria. Coisas da alma, coisas do coração, tudo será sempre mistério. Missão? quem sabe. Cada um de nós não esta aqui por acaso. Parabéns mocinho, vc pega fundo na alma dos seres vivos rsrs bjks no coração.

    ResponderExcluir
  7. Quero parabenizá-lo pelo belíssimo texto,onde mostra o outro lado que é tão difícil de se encontrar a "felicidade".todos nós procuramos ter um dia.Penso o que amor doentio não faz com uma pessoa,ele sofre por anos e mesmo depois da morte não consegue se libertar.Vejo que seus amigos vão dar uma direção pra que ele finalmente se liberte e tenha paz e felicidade.bjs!!!Andréa Cardoso

    ResponderExcluir