IGGY POP

IGGY POP
      Sexo em todas as suas formas, normais ou bizarras. Escândalos, depravação, violência, abusos de drogas, prisões, internações em hospícios, loucuras no palco e fora dele, atitudes inconseqüentes, irresponsabilidade, inconformismo, arrogância, “viagens” por alucinógenos e autoflagelação.
    Todas estas situações seriam insuficientes para definir a figura de Iggy Pop.
     Um homem indecifrável, indefinível na sua conduta no decorrer da vida e carreira como músico.
    Dele vem o exemplo inicial que nunca deve seguido por qualquer pessoa que tenha um pouco de amor próprio e coerência de comportamento em sua juventude rebelde.
     Ele, uma pessoa autodestrutiva, paranóica e nada sofisticada, porém, extremamente inteligente quando estava livre dos efeitos das drogas.
      Nunca foi poético como Lou Reed ou excêntrico como David Bowie. Era cru, direto. Na maioria das vezes com comportamento repulsivo e esdrúxulo, mas mesmo assim, adorável e cativante como pessoa.
         Sua cultura sobre literatura era grande, seu pai era professor e dele veio o primeiro incentivo e contato com livros de filosofia e poesias.
Mostrava ser uma pessoa culta e letrada quando realmente era desafiado para uma conversa séria, citando Dostoievski, Nietzsche ou Karl Marx.
      Seu grande interesse pela música começou em sua juventude, já no ginásio, aos quinze anos de idade, começou a tocar bumbo na banda da escola. Daí logo em seguida, estaria a um passo de se interessar por bateria e rock and roll.
    E foi como baterista de sua primeira banda chamada, The Iguanas, que ele consegue gravar algumas músicas que chegaram a tocar nos bares e universidades de Detroit e Chicago.
      Após o final do grupo, Iggy volta para a faculdade, ao curso de antropologia por um tempo.
         Eis então, que conhece os três irmãos Asheton, a menina Kathy e os meninos arruaceiros, Ron e Scott.
          Eles tinham um grupo de rock no qual a moça fazia vocal, Ron tocava guitarra e Scott nas baquetas de uma bateria bem improvisada.
   Começam a andar juntos e então montam o núcleo do que viria a ser a banda The Stooges, na qual Iggy assumiria os vocais e um novo amigo chamado Dave Alexander seria o baixista.
Todos sem quase nenhuma experiência musical e nenhum deles com teorias catedráticas de musica. O mais experiente era mesmo Iggy, que já havia acompanhado alguns músicos famosos da época, em gravações de estúdio, ele como baterista.
 Surge então, THE STOOGES, nome dado em homenagem à série, os três patetas. Na ideologia de Iggy os patetas poderiam ser eles mesmos, ou então quem gostasse do som tosco que eles faziam.
     A técnica instrumental do grupo era precária, seus instrumentos obsoletos. Por isto passaram a usar efeitos de microfonia e distorções para compensar a falta de habilidade musical. Através deste som sem qualquer fundamento, faziam apresentações performáticas exóticas e incompreensíveis, o mais apurado ouvinte acostumado com a forma tradicional de fazer rock and roll, não definiria aquilo como música e sim ruídos tirados de objeto que em nada pareciam instrumentos musicais. Era uma cena totalmente abstrata onde Iggy pisoteava com sapatos de golfe, tambores de óleo e aparecia com um liquidificador barulhento e com água pela metade do copo, de onde tirava sonoridade ruidosa e irritante.
      Resolvem então compor músicas no formato tradicional conhecido e aceito pelo público, mas no estilo Iggy de compor letras.
      No ano de 1968, The Stooges, estréia nos palcos abrindo um show do BLOOD, SWEAT & TEARS. Um debut nada comum, pois o som da atração principal nada tinha a ver com o som dos patetas.
O público ficou boquiaberto com as cenas psicodélicas de Iggy e seus companheiros, ele apareceu de sobrancelhas raspadas e sapatos de golfe com travas altas e fez um sapateado ridículo no palco.
       A partir deste show, Iggy já demonstrava que odiava ser ignorado e a partir de então começa com performances incomuns aos vocalistas daquela época.
       Logo inicia seu relacionamento com as drogas, maconha e ácidos diversificados. Nas apresentações da banda, muitas vezes movido pelos efeitos alucinógenos, ofendia o público com palavrões, pulava de cima do palco e se esfregava nas meninas que estavam próximas, e outras vezes tirava meleca do nariz e enfiava na boca.
         A primeira canção composta foi “I WANNA BE YOUR DOG”. Pouco tempo depois entram no estúdio para gravar o primeiro álbum com apenas três canções prontas e o resto do disco viria de algumas semi-jams que virariam canções nos próximos dias. E uma no estilo Velvet Underground, chamada “WE WILL FALL”, um mantra psicodélico e comprido.
Este primeiro trabalho foi totalmente ignorado por público e critica. Seu estilo era totalmente contra os padrões musicais da época, alguns dizendo inclusive que se tratava de um lixo barulhento.
        Na turnê de divulgação, os shows eram verdadeiros espetáculos de bizarrices, o público jogava latas, garrafas e tudo que tinha nas mãos. Iggy atirava tudo de volta, mas, em um dos shows, uma garrafa arremessada se estilhaça no palco e Iggy então se joga em cima dos cacos e rola por eles, o sangue jorra de seu peito e costas, ele fica com vários ferimentos. A platéia fica estupefata e em silencio observando o ritual do maluco que logo após acabaria sendo retirado de maca.
         Ele era sexualmente pervertido e insaciável, saia com meninas de todas as idades, inclusive as que tinham catorze ou quinze anos.
Levava as moças para a casa coletiva onde morava com um monte de gente doidona e viciada em drogas, oferecia ácido para elas e depois de fazer sexo, largava as jovens completamente chapadas do lado de fora do prédio.
          Iggy era promiscuo, teve várias doenças venéreas, chatos e coceiras diversas, devido ao sexo com várias pessoas ao mesmo tempo ou em relações sexuais ocasionais.
           Começou a freqüentar ambientes tipicamente para gays e traficantes, Andava pelas ruas a procura de drogas e sexo.
        Às vezes ficava tão chapado que dava trombada com paredes, postes latas de lixo, caia na rua e não conseguia levantar, viveu quase como um mendigo, nem trocava de roupas.
        As pessoas passavam pela rua, onde ele geralmente ficava caído esperando ajuda para levantar-se, o reconheciam e riam dele. Mesmo sendo tão piradão ele conseguia ter a companhia de mulheres muito bonitas e famosas naquela época, por exemplo, NICO, que trabalhou com Lou Reed no Velvet Underground. Ela chegou a morar por alguns meses com Iggy.
         Nesta mesma época, após Nico ir embora ele conseguiu se casar com uma moça chamada Wendy, mas o casamento foi anulado em menos de um mês, Iggy não suportou a idéia de ter compromisso de homem casado e ter limitada sua liberdade na carreira musical. Pregou na parede, com orgulho, os papéis do divórcio.
         Ele entra mais e mais nas drogas, agora com LSD, COCAÍNA E HEROINA.
          Um ano após o lançamento do primeiro disco vem o segundo chamado, “FUN HOUSE” e novas apresentações com Iggy fazendo loucuras no palco, tirando a roupa, andando por cima do público, pisando de ombro em ombro e xingando quando a audiência estava fria demais com suas perfomances.
           Certa ocasião Iggy cheirou um pó novo, uma nova droga que acabara de chegar ao mercado, entrou no palco rastejando e balbuciava palavras que ninguém entendia, não conseguia erguer-se e foi retirado do palco direto para o hospital. 
            Iggy botava tudo a perder, a gravadora investia dinheiro, arrumava pessoas para cuidar da imagem da banda e Iggy jogava tudo por terra, arruinava a vida dele e de todos ao redor.
           Todos os integrantes passaram a se drogar, exceto Ron Asheton, por isto ele era mal visto pelo demais.
           O dinheiro estava acabando e o pouco que tinha era gasto com heroína. O vicio o faz roubar folhas de cheques de seus pais, ele então, falsifica a assinatura e com eles paga os traficantes, comentam que ele e seus amigos chegaram a assaltar postos de gasolina para conseguir dinheiro para a droga.
   Acabam devendo mais dinheiro para traficantes. Vendem peças dos instrumentos e equipamentos para manter o consumo de heroína.
           Todos são obrigados a entrar em tratamento. E a gravadora busca motivo para anular o contrato com a banda. Na visão dos empresários, eles eram irresponsáveis, drogados e com extinto de autodestruição.
           Eis que surge na história uma figura salvadora, DAVID BOWIE.
               Bowie ouvira falar da fama de Iggy como cantor agressivo e queria conhecê-lo. Surge ai uma grande amizade e colaboração, porém nem tão fácil assim. Iggy sempre foi temperamental e detestava ouvir a palavra, “não”, ou qualquer critica ao seu trabalho. Nunca aceitou sugestões sobre um direcionamento musical, ele dizia que fazia as coisas de acordo com sua vontade e intuição, e este era seu estilo.
               Bowie leva Iggy para altas rodas da sociedade, apresenta-o para pessoas influentes no mundo das artes, cinema, teatro e música. Bowie arranja um contrato para Iggy em Londres, e ambos viajam para lá, onde Iggy irá montar uma banda com músicos ingleses. Mas a idéia não caiu bem para o presunçoso Iggy.
         Ele, juntamente com os empresários, fez vários testes com músicos competentes, mas nenhum o agrada, pois, ele queria a sonoridade antiga, aquela dos tempos de Detroit, Então exige que os antigos companheiros sejam chamados, os empresários relutam, mas cedem ao pedido. Então os irmãos Asheton descem em Londres, mas com um detalhe o guitarrista agora era outro cara, seu nome, James Williamson, melhor tecnicamente que Ron, então o antigo guitarrista agora passou a ser o baixista do grupo.
              A banda tranca-se e começa ensaiar todos os dias, por 5 horas corridas e sem drogas ou álcool. Agora estavam coesos no trabalho e determinados a fazer algo que lhes trouxesse dinheiro de verdade. Estes ensaios seriam para o novo álbum, RAW POWER, que seria lançado um ano depois, em 1973.
               Devido ao grande sucesso do lançamento de DAVID BOWIE: ZIGGY STARDUST AND THE SPIDERS FROM MARS. Os caras da gravadora deixaram Iggy & the stooges na geladeira por um tempo. Não queriam comparações entre Iggy e Bowie. Mas isto foi irritando os rapazes que já estavam entediados de tantos ensaios e nenhum show, e muito menos a menção de gravar o novo trabalho em vinil. Devido à amizade entre Iggy e Bowie, eles esperam um momento propício para a mixagem e gravação do novo álbum que teria como produtor David Bowie.
                Devido ao tédio da longa espera, voltam às drogas e a nova gravadora já tinha o motivo para dispensá-los, mas Bowie usa sua influencia e pede mais uma chance. Então o novo disco é mixado e lançado sob muitos protestos de Iggy e os demais integrantes, dizendo que a mixagem de Bowie ficou uma porcaria.
                  Novas datas de shows foram marcadas e as perfomances de palco tornaram-se mais bizarras, com Iggy ficando completamente nu e masturbando-se durante o show que estava sendo televisionado ao vivo.
                  Finalmente a gravadora dispensa o grupo por ser completamente impossível administrar toda a rebeldia, desordem, prejuízos financeiros e destruição da imagem pública da entidade fonográfica.
             Outros músicos passaram pela banda por um curto período de tempo. Muitas confusões, abusos e excessos continuaram acontecendo até que em fevereiro de 1974, Iggy resolve de uma hora para outra parar com tudo.
Diz ele, que vai tratar-se do estado físico e mental deplorável que se encontra e que a banda estava acabada.
Desta forma bem simplória encerrava-se o ciclo de IGGY &THE STOOGES.
           Como todos sabem, Iggy seguiu carreira, sendo sempre impulsionado por seu grande amigo, David Bowie. O trabalho de Iggy Pop tornou-se mais comercial e finalmente ele pôde pagar todas suas dividas, “limpar-se” das drogas, tornando-se assim uma figura mais aceitável e com imagem vendável para as gravadoras.
         Claro que ele ainda mantém a essência do seu estilo antigo, não da mesma forma escandalizadora ou destrutiva na atitude.
Buscou o refinamento que o coloca agora no lugar onde ele tanto desejou estar, na famosa galeria dos grandes astros de rock de todos os tempos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A Luz Fraca Do Abajur

Decisão

O E-Mail-Carta Parte 8