quinta-feira, 11 de agosto de 2011

DOR DE COTOVELO NO ROCK

O assunto sobre rock geralmente envolve o tema das letras, como nem todos tem domínio da língua inglesa, ou aqueles que entendem um pouco não tem fluência, sempre fica a dúvida e a curiosidade e então vem a pergunta crucial: “Do que fala esta música?” Já cansei de tanto fazer a tradução de SIMPLE MAN E FREEBIRD do Lynyrd Skynyrd ou outras tantas do Led Zeppelin, Deep Purple e Grand Funk.
E quando isto acontece noto uma certa decepção naqueles que desconheciam o conteúdo da letra ou a temática do grupo de rock tão admirado.
É um fato que o rock e suas tendências, como também outros estilos musicais, tem como assunto principal a dor de cotovelo. Vou citar um exemplo de um disco que acho maravilhoso. E marcou época nos anos setenta.
Observando mais atentamente veremos que grandes músicas ou até mesmo álbuns inteiros falam sobre amores não correspondidos, amores rejeitados, platônicos, traídos e incompreendidos. Não se assuste se 90% das músicas de um álbum famoso se encaixar nessa descrição.
É sempre o “pé na bunda” que move o rock; nada como compor uma bela música após uma porta na cara, ou um telefone desligado repentinamente durante uma discussão por ciúmes, ou nos tempos modernos mensagens de e-mail com pedido de perdão ou nova chance, não respondidas.

Falando do passado:
Certa vez meu grande ídolo Eric Clapton compôs um disco inteiro para a mulher de George Harrison que era seu melhor amigo. Ele formou a banda ”Derek and the Dominos” grupo de um disco só, traduzindo o título do disco: “Layla e outras músicas de amor” (Layla and other Assorted Love Songs)!
Na minha opinião um dos melhores discos da história do rock, músicas lindíssimas e arranjos instrumentais maravilhosos, solos encantadores e letras de extrema dor de cotovelo ou implorando um amor, exemplo típico é a faixa “Bell Bottom Blues” que diz na letra “você quer que eu rasteje no chão por você?”. Lembro ainda que neste disco tem a participação nos solos, inclusive da música LAYLA, do maravilhoso guitarrista DUANE ALLMAN que morreria 2 anos depois, em 1972, em um acidente de moto nas ruas de Atlanta.
George Harrison e Eric Clapton foram grandes amigos, tanto que Clapton participa como guitarrista convidado no famoso álbum branco dos Beatles gravado em 1968.
Eric Clapton então conheceu Patti Boyd, esposa de Harrison.
Era final dos anos 60, muita experimentação de todo tipo de substância e também um interesse por outras culturas e religiões, como por exemplo a cultura indiana. HARRISON descobre o Deus KRISHNA , aprende a meditar. Mas a bela moça sentia-se solitária, achava que ele estava meditando um pouco demais e já não estava muito interessado nela, em seus atributos físicos e sexuais, se é que me entendem...
As músicas de HARRISON nesta época tornaram-se extremamente religiosas.
Ela então resolve tomar uma providência radical, decide se aconchegar no colinho de Eric Clapton, era uma tentativa de criar ciúmes em Harrison e tirar o cara do transe e da letargia meditativa em que se encontrava. Não adiantou e aconteceu o que ela não esperava: Eric Clapton se apaixonou totalmente por seus encantos.
Ele ficou maluco por ela, não dormia, ficou doente de paixão, de dor de cotovelo. Ninguém deveria passar por isto, mas é inevitável. É trágico, mas acontece todos os dias. Patti Boyd não dá muita bola pro moço, e continua casada com George Harrison, deixando Eric Clapton naquele estado deprimente com cara de “bunda”, cara "amarrada" e mal humorado.
Ele então começa a escrever músicas sobre seu amor não correspondido, muitas, na verdade suas melhores músicas já compostas. Ele lança este disco só com músicas sobre sua dor de cotovelo. Ele chora todos os dias pela moça. Coisa de novela. Era um ariano perdidamente apaixonado pela mulher do melhor amigo. Trágico se não fosse cômico. Um belo dia George Harrison resolve se dedicar exclusivamente ao seu Deus e separa-se da linda loira. ele e Clapton ainda continuaram amigos.
Finalmente, Eric poderia viver o seu grande amor com Patty, um belo amor. Eles se casaram em 1977, e viveram felizes para sempre. Ahh..Parece que não foi bem assim... Eles viveram juntos durante alguns anos. Então Eric Clapton se apaixonaria novamente, mas por outra. Então começou a maltratar a moça, passou a beber demais, batia na loirinha todo dia, até que se separaram e ele pode viver um novo amor ao lado da nova futura ex.
Eric Clapton continua sendo Eric Clapton o Deus da guitarra, Patti Boyd segue seu caminho pelo mundo lançando livros de fotografia, e George Harrison já deixou nosso plano de existência e ascendeu para planos mais elevados da aura espiritual. E enquanto isto eu fico aqui imaginando o quanto extenso seria meu repertório de músicas de dor de cotovelo se eu tivesse todo este talento musical.









8 comentários:

  1. Realmente,dor de cotovelo está em muitas músicas e albuns de rock e em outros estilos.

    Os textos estão ótimos,sempre leio,vou tentar escrever alguma coisa sobre o Bowie,espero que fique bom.

    Não sou talentosa para escrever como você,mas vou tentar.
    Obrigada pelo convite!

    ResponderExcluir
  2. E aí amigão, obrigado pelas visitas constantes, é prazer tê-lo como amigo.

    Esse disco em questão é simplesmente maravilhoso, está em minha discoteca selecionada.

    Sobre a dor-de-cotovelo, oras, a música é expressão de sentimentos e todos são válidos, o que não desce de jeito nenhum é qdo forçam a barra para fazer músicas sentimentalóides utilizando esse tema apenas como pretexto para melodias excessivamente açucaradas e descaradamente comerciais como algumas duplas, pagodeiros e rockeiros farofa (Poison, Bon Jovi e assemelhados)fazem com o objetivo de vender e não de se expressar.

    Ou seja, quando a coisa é autêntica, não tem nenhum problema as letras serem de dor-de-cotovelo ou de qualquer outro tema - pelo menos essa é minha opinião.

    Abração!

    ResponderExcluir
  3. Sábado estive no 7º Aniversário do Moto Clube Renascidos de Rio Claro. Muito rock blues.

    ResponderExcluir
  4. Eita... esse negocio de um homem te dizendo: “você quer que eu rasteje no chão por você?” é surreal... deve dar uma baita sensação de pode e ser um saco!!!

    Mas, é bom saber que o rock é melhor do rock é movido por dor de cutuvelooo... kkk... e os roqueiros parecem tão maus!!! srsrsrs!!!

    Ah, falando sobre traduções de musicas lembrei de uma história com um amigo que curtia rock, ele me chamou em um canto no meio de uma festa super agitada, colocou uma musica e saiu me falando cada verso, chorei até dizer basta, foi um momento muito triste, mas muito bonito... surreal...

    Não me frustou saber que o rock é movido a pé na bunda, mas surpreendeu..

    Adorei o texto!!!

    ResponderExcluir
  5. Adoro a forma como escreve e relata fatos .
    Não sabia que o rock é movido por dor de cotovelo , sempre tive uma idéia completamente diferente .

    Beijos e Saudades ,

    ResponderExcluir
  6. Apesar de gostar muito do rítmo..não conheço as histórias, só aquelas divuldagas pela mídia tipo
    "Amy Winehouse", ou mesmo o da morte de "Kurt Cobain ", parece que a música para uns e outros não traz a realização plena...serve de apenas de exemplo...de que o dinheiro e a fama,não faz do ser humano um ser realizado...o que será que faltou?

    Gostei do esclarecimento...aprendi mais alguma coisa...voce "É O CARA"

    bju,bju

    ResponderExcluir
  7. Sou uma pessoa que está sempre em busca de conhecer o novo, resolvi vir ler sobre o rock e suas dores de cotovelos.
    Nossa!!!!!!!!!! fiquei maravilhada, fui no youtube procurar escutar, o que mais me surpreendeu foi a forma bem escrita com exemplos dos nomes das músicas, tornando mais fácil a pesquisa para quem é digamos....aprendiz. Parabéns pelo texto muito bem explicado, e saiba que esse "Blog" também é cultura em relação a gostos musicais, passei a gostar de mais algumas, ainda bem que sou assim, gosto de experimentar tudo ou não teria escutado Eric Clapton - Layla, lindíssima....mas me apaixonei por esta, Eric Clapton - Wonderful Tonight.
    Não me importo se é dor de cotovelo, paixão, frustração...sei que minha alma sorrio e meu coração aplaudiu....isso que importa.
    Agora tenho mais o que pesquisar, o que aprender e o que ouvir rsrsrs
    Conteúdo maravilhoso do texto....

    ResponderExcluir
  8. Não tinha ideia sobre este assunto,totalmente novidade pra mim, mas não me surpreendeu tanto assim, apesar da 'cara de mau' dos roqueiros quando se apresentam no palco, alguém nos bastidores teve um momento de introspecção para criar a letra da canção. A dor de cotovelo e o 'pé na bunda' sempre foram fonte de inspiração para os gênios sensíveis da criação. Eles conseguem transformar em palavras aquilo que nós pobres mortais só conseguimos aliviar nas lágrimas.

    ResponderExcluir