quinta-feira, 15 de julho de 2010

Ozzy Osbourne e Black Sabbath fizeram orgia durante turnê

Ozzy Osbourne e sua banda tiveram os primeiros momentos de estrelas do rock na primeira turnê pelos EUA, com drogas e sexo
Ozzy Osbourne carrega a imagem de satanista e de um sujeito que passava grande parte de seu tempo drogado. O primeiro veio de uma piada utilizada no formulário de imigração quando ele e sua banda, Black Sabbath, foram aos Estados Unidos pela primeira vez. O segundo era realmente verdade.

Esses são alguns do detalhes de sua vida revelados na biografia "Eu Sou OZZY". Desde a infância em Birmingham, quando não se ajustava em nenhum grupo e não suportava a escola por conta de uma dislexia que não o deixava ler, até sua vida novamente tumultuada após a participação no programa "The Osbournes".

Na década de 1960, a expectativa para um jovem na Inglaterra era conseguir um emprego em uma fábrica e tentar mantê-lo para o resto da vida. O problema era que John, nome de nascimento de Ozzy, não queria esta perspectiva de vida. Foi por acaso que começou uma banda, por acaso que começou a cantar e por sorte que conseguiram fazer sucesso.


E o mundo sexo, drogas e rock'n'roll só surgiu para o líder do Black Sabbath quando eles conseguiram fazer sucesso nos Estados Unidos. Como ele mesmo diz em seu livro, "O Black Sabbath era uma banda para os caras. Jogavam garrafas e bitucas de cigarro na gente, não sutiãs".

Não é estranho que experiências estranhas com fãs tenham acontecido logo que as encontraram. Leia trecho abaixo sobre a "festa" que os roqueiros fizeram no hotel em que se hospedaram:

Nenhum de nós podia acreditar como o álbum Black Sabbath estava indo bem nos Estados Unidos. Era uma loucura. A Warner Bros, nossa gravadora norte-americana, estava tão feliz que disseram que atrasariam o lançamento de Paranoid até janeiro do ano seguinte.

Ozzy Osbourne revela detalhes de sua vida e carreira com bom humor
Estávamos fazendo shows grandes em todos os lugares em que tocávamos, até conseguíamos algumas groupies.

Nossa primeira experiência realmente louca com groupies aconteceu num Holiday Inn, em algum lugar da Califórinia. Em geral, Patrick Meehan nos colocava nos lugares mais vagabundos; não era incomum os quatro dividirem um único quarto num motel pulguento na periferia da cidade, a cinco dólares a noite. Assim, um Holiday Inn era luxuoso para nossos padrões: meu quarto tinha banheira, chuveiro, telefone e TV. Tinha até um colchão d'água - que era o máximo naqueles dias. Eu adorava essas coisas; na verdade, era como dormir num pneu flutuando no meio do oceano.

Bom, estávamos nesse Holiday Inn e eu tinha acabado de conversar com Thelma ao telefone quando alguém bate na porta. Abro e há uma linda garota usando uma minissaia.

-- Ozzy? - ela pergunta. - O show foi incrível. Podemos conversar?
Ela entra, tira o vestido, trepamos e dá o fora antes de eu perguntar seu nome.

Cinco minutos depois, outra batida na porta. Estou pensando: Ela provavelmente deixou algo no quarto. Levanto para atender. Mas é outra garota.

-- Ozzy? - ela diz. - O show foi incrível. Podemos conversar?

Tira o vestido, abaixa minha calça e depois de cinco minutos da minha bunda pelada subindo e descendo em cima dela, enquanto flutuávamos nessa cama de água, rolou um "Legal te conhecer", "Até mais" e lá foi ela.

Esses Holiday Inn são mágicos pra cacete, pensei. E mais uma batida na porta.

Dá pra imaginar o que aconteceu em seguida.

Eu trepei com três garotas naquela noite. Três. Sem nem sair do quarto do hotel. Para ser honesto, já estava meio pedindo arrego nessa última. Precisei usar o tanque de reserva.

No final, decidi descobrir de onde essas groupies estavam vindo. Fui até o bar, mas estava completamente vazio. Aí perguntei ao cara da recepção: "Onde está todo mundo?". Ele respondeu: "Seus amigos britânicos? Tente a piscina." Aí eu fui até a piscina na cobertura e quando as portas se abriram não pude acreditar nos meus olhos. Era como em Calígula ali: dúzias das garotas mais lindas que se podia imaginar, todas completamente nuas, sexo oral e ménages acontecendo por todos os lados. Acendi um baseado, sentei-me numa cadeira reclinável entre duas lésbicas e comecei a cantar "Deus Abençoe a América".

*

Um comentário:

  1. Incrível não saber nada dessas pessoas e ao mesmo tempo ficar de boca aberta com as descobertas.
    Na verdade não é muito meu mundo, ou saberia um pouco.
    O conforto, o dinheiro, as facilidades levam pessoas a lugares muito loucos......
    Valeu a leitura pelo conhecimento de um pouco desse cara...

    ResponderExcluir